Bolsonaro é um mal em si. Autoritário, idiota e de uma incompetência que superou em muito a de Dilma, acabou por criar uma situação insustentável para si mesmo e seu governo, o que levou vários amigos contrários ao PT declararam que votarão em qualquer um que não seja Bolsonaro nas próximas eleições. Estou entre eles. Acho que o Brasil não resiste a mais 4 anos de mentecaptos autoritários no poder. Mas resistiremos a autoritários inteligentes?

Essa é uma questão que ganha urgência com as recentes movimentações e declarações de Lula e os “generais” do PT.

Lula e José Dirceu, por exemplo, andam tão à vontade que já não escondem que, se puderem, fincarão suas presas na jugular da Democracia. Não é força de expressão. Não é exagero. Reproduzo abaixo trecho de entrevista de Lula a Eric Li do jornal chinês Guancha:

“(…) A China tem um partido, a China e’ resultado de uma revolução de 1949 com Mão Tse Tung, a China tem um partido que tem poder, que tem um Estado forte, que toma decisões, e que as pessoas cumprem. Coisa que nos não temos aqui no Brasil.

(….) a elite financeira do nosso país, elas tem muita ingerência na política e é preciso que a gente os enfrente para mostrar que o Estado tem um papel importante. Muitas das políticas sociais que o povo precisa só podem ser feitas se o Estado for forte. Só podem ser feitas se o Estado tiver comando, e lamentavelmente nos países da América Latina, nos países do 3o mundo, o Estado está cada vez mais fraco, estão cada vez mais privatizando as empresas públicas, estão cada vez mais privatizando aquilo que deveria ser O PAPEL DO ESTADO.

Então Eric, eu acho que a China é um exemplo de desenvolvimento para o mundo. Eu espero que outros países aprendam a lição com a China. (….) Lamentavelmente a gente não conseguiu chegar lá, mas eu tenho muita fé, muita esperança, que nós vamos conseguir fazer isso a partir de 2022.”

Como bem observou meu amigo Marcus Vinicius Grade, “essa é a visão real de Lula e do PT. O objetivo. O restante é tática, meios para conseguir realizar a visão. O sonho de consumo é o poder inquestionável e pessoas que “cumpram”. Elogiar o modelo Chinês, de partido comunista, comando e controle centralizado, é confissão de amor ao totalitarismo, não é outra coisa. As falas recentes de Dirceu e as um pouco mais antigas de Jaques Wagner estão alinhadas com a visão acima.”

Torço muito e milito por uma terceira via com viabilidade eleitoral. Hoje já estou achando Ciro Gomes e Moro palatáveis. Prefiro não ter que enfrentar a sanha autoritária do PT que sempre aplaudiu as ditaduras de esquerda e agora está à vontade como pinto no lixo, graças à Bolsonaro.

O vídeo original está aqui: