o amor sem máscaras

Recebi o artigo abaixo de seu autor, Evaristo Magalhães, que é Psicanalista.

A provocação do título que escolheu me parece desnecessária e, do ponto de vista lógico, ineficaz: se era mulher, voltar como travesti (sinônimo de homem que se veste de mulher) é uma bobagem.

Mas a mensagem geral é correta e necessária.

Como já escrevi em outro artigo, “no fim, preconceitos não são de esquerda nem de direita, são humanos. Não faz muito tempo casamento entre negros e brancos era um escândalo. Mulheres votando eram uma aspiração ridícula. Ser divorciado era motivo de vergonha. Já está na hora de reconhecermos o que é igualmente humano, ou seja, a sexualidade homoafetiva. Se você crê em Deus, aceite porque é obra Dele. Se não crê, aceite porque não há uma única razão lógica para não aceitar.”

Fiquem com o artigo:

 

QUEM DISSE QUE NOSSA SENHORA NÃO PODERIA VOLTAR COMO UMA TRAVESTI?

O certo é o bem. Não importa o gênero. Não importa a roupa. Não importa a identidade. Não importa o jeito de corpo. Não importa se é lgbt ou se é hétero. Importa é que não haja violência.

Não é ético odiar. Não é ético agredir. Só é ético odiar quando é odioso. Só é ético agredir quando é agressivo.

Concretamente, o que ser uma travesti tem de agressivo? Nada.

A quem diz respeito o que ela faz com seu corpo e com seu sexo? A quem diz respeito a forma como ela se veste? Que diferença faz se ela quer ser ele ou se ele quer ser ela? Não é de de SER que estamos tratando?

Devemos intervir na forma como a as vidas são conduzidas? Sim – mas apenas quando estas estiverem sendo colocadas em risco.

A existência de uma travesti em nada impede ninguém de ser o que quiser.

Vale mais o caráter. Vale mais o profissionalismo. Vale mais a honestidade. Vale mais o respeito. Vale mais a essência que a aparência.

Para Cristo importa mais a aparência ou a essência? Creio que a essência. Não seria Cristo amor, justiça e a bondade?

O que seria, então, uma travesti que pratica o amor, a justiça e o bem? Ela não seria cristã? Ela não iria para o céu?
Por que ela não iria para o céu? Só porque ela se identifica com o outro sexo? E se ela ama e respeita esse outro sexo? E se ela ama e respeita a todos? E se ela é honesta e justa? Onde estaria o pecado? O pecado é a essência ou a aparência?

Quem disse que Nossa Senhora não poderia voltar como uma travesti? Quem disse que a mãe de Jesus não poderia habitar uma pessoa transexual.

Definitivamente, creio que o que Maria jamais habitaria seria a corrupção engravatada e a hipocrisia.

Infelizmente, somos mais superfície que conteúdo. Realmente, vamos ter que esperar Cristo voltar para esfregar na cara desses fariseus atuais que o mais importante – ainda – é o amor, a justiça e a bondade.

 

Evaristo Magalhães – Psicanalista