Foro de São Paulo

 

Com a proximidade das eleições, nestes tempos de Fake News e construções de narrativas fraudulentas, acredito ser necessário apresentar um conjunto de informações de fácil verificação e que demonstram a verdadeira face deste PT que se radicaliza cada vez mais e ameaça a democracia. Vejamos:

1. O PT ainda hoje diz que a Venezuela é uma democracia. A razão disso é que este é o “modelo” de democracia que eles desejam (observe, nem Cuba o PT reconhece ser uma ditadura…). As principais lideranças do partido aplaudem e defendem o tal “governo bolivariano” que destruiu aquele país.

 

2. O PT já tentou implantar aqui mecanismos chavistas de corrosão da democracia, como o “Controle Social da Mídia” inserido no Plano Nacional dos Direitos Humanos (PNDH) de 2010 e os “Conselhos Populares” do decreto presidencial nº 8.243 apresentado pelo Governo Dilma Rousseff.

 

3. José Dirceu, o número 2 na hierarquia petista, falou claramente que dentro do país é uma questão de tempo pra gente tomar o poder. Aí nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição. Em outra entrevista, afirmou que é preciso instituir medidas para estimular a participação e o CONTROLE SOCIAL EM TODOS OS PODERES DA UNIÃO (Executivo, Legislativo, Judiciário) e no Ministério Público o que vem a ser exatamente a reedição dos tais “conselhos populares” do decreto presidencial nº 8.243, devidamente indicados e controlados pelo executivo “tomado”. Lembre-se que em uma democracia real os chamados três poderes devem atuar de forma independente, em um sistema de pesos e contrapesos, para equilibrar o exercício do poder, limitando a capacidade de cada uma das partes em se sobrepor às demais. É justamente esta característica fundamental que o projeto bolivariano defendido por José Dirceu destrói (como ocorreu na Venezuela).

 

4. Os planos econômicos do PT apresentados até agora são uma repetição das práticas que geraram a crise atual, reeditando a política econômica de viés keynesiano tupiniquim que vigorou de 2006 a 2014. Insistir neste caminho é não acreditar na relação entre o sexo e o parto.

 

5. A violência contra a própria população nas “democracias” que o PT defende são muito maiores que a violência da ditadura brasileira que o PT critica (e eu também critico – ditaduras são sempre o avesso do que defendo). Segundo a Comissão Nacional da Verdade (CNV), nos 21 anos da ditadura brasileira tivemos 434 mortos e desaparecidos. Para efeito de comparação, em menos de 3 anos, entre Julho de 2015 e Março de 2017, a repressão venezuelana matou 505. Na Nicarágua, onde Gleisi Hoffmann fez uma eloquente defesa daquela e das demais ditaduras de esquerda sul-americanas, o governo de Daniel Ortega matou 351 pessoas em 3 meses.

 

Diante destas informações verificáveis (a matéria traz os links), é uma enorme hipocrisia dizer que vota no PT em nome da democracia e direitos humanos.

Para o PT e as franjas à esquerda que o apoiam, como o PSOL, PC do B e congêneres, ditaduras só são um problema se forem “de direita”. Se forem “de esquerda”, merecem aplausos, apoio e, sempre que podem, dinheiro público.

Observe que nem falei em corrupção, um mal que também precisa ser combatido, que perpassa todo o sistema político, mas que o PT “profissionalizou”, ampliou e transformou em método de gestão.

Nesta eleição polarizada em duas alternativas autoritárias, Bolsonaro e Haddad, é hora dos indecisos, dos que pretendem votar em branco e dos que valorizam a democracia juntarem forças e fazerem voto útil, escolhendo, na véspera da eleição, entre Alckmin, Amoedo, Marina, Álvaro dias e Meirelles aquele que estiver melhor colocado nas pesquisas.

É isto ou chegar ao segundo turno sem um candidato comprometido com a democracia. Pense nisso.

 

Artigo de Paulo Falcão.