lobo em pele de cordeiro

Há algum tempo venho chamando a atenção e recomendando desconfiança para com veículos, articulistas e intelectuais que apresentam duplo critério em suas análises, ou seja, pessoas que mudam a ética de acordo com a ideologia do algoz ou da vítima.

Demonstrei isto quando analisei o assassinato de Merielle Franco.

Ressaltei a naturalidade com que certos grupos “progressistas” defendem direitos genéricos para os pobres distantes e afrontam sempre que podem os pretos e quase pretos que os servem.

Chamei a atenção para o fato de que quem chama o impeachment de Dilma de “golpe” e silencia diante do carrasco de Caracas, revela um compromisso apenas retórico com a democracia.

Agora, o texto abaixo, publicado por Roberto Ellery em seu facebook, acrescenta outros questionamentos com a experiência de quem é Professor no Departamento de Economia da UNB (Universidade de Brasília):

“Fico feliz que intelectuais dentro o fora do Brasil mostrem preocupação com os rumos de nossa democracia, porém, toda vez que leio textos com esse tipo de preocupação sou tomado por algumas dúvidas sobre os autores e tenho vontade de perguntar: 

Onde vocês estavam quando o governo petista tentou censurar a imprensa usando como desculpa a proteção aos direitos humanos? 

Onde vocês estavam quando o governo petista ameaçava empresas privadas, de bancos a canais de televisão, pedindo punição e mesmo demissão de empregados que desagradaram o Planalto? 

Onde vocês estavam quando da caça às bruxas em institutos de pesquisa, com criação de comissão disciplinar para punir quem discordou da atuação de órgãos públicos brasileiros em parceira com a tirania de Caracas? 

Onde vocês estavam quando o governo brasileiro financiava, apoiava e participava diretamente da construção da tirania que gerou a atual crise humanitária na Venezuela? 

Onde vocês estavam quando os “camisas marrons” do Partido carimbavam de inimigos do estado brasileiro professores que discordavam do governo e transformavam as universidades em locais onde se tornou perigoso discordar de políticas do governo? 

Onde vocês estavam quando o Supremo Tribunal Federal desvendou um esquema de uso de dinheiro público para compra de apoio no Congresso? 

Onde vocês estevam quando a máquina do Partido tentava intimidar delegados, promotores e juízes com punições em caso de volta ao poder e falava até mesmo de guerra civil para intimidar investigações, promotores e juízes? 

Onde vocês estavam quando o Partido ameaçava a sociedade com o exército do Stédile? 

Sei que alguns acham que tudo isso é bobagem, mas essas são coisas que aconteceram comigo, com pessoas próximas ou que foram amplamente noticiadas. Respeito quem leva a sério os intelectuais que se omitiram diante da lista acima e hoje se mostram angustiados com o futuro de nossa democracia, mas eu não consigo acreditar na sinceridade da preocupação desses intelectuais.”

RETOMO PARA CONCLUIR:

Não leve a sério jornalistas, intelectuais e políticos que apresentem duplo critério.

Chamar a Venezuela de democracia e o governo Temer de golpista é duplo critério.

Apoiar o impeachment de Collor e dizer que o de Dilma foi golpe é duplo critério.

Dizer que a crise econômica atual é culpa do Temer não chega ser duplo critério, mas revela, na melhor das hipóteses, uma profunda ignorância sobre o assunto.

Agora pense: se as opiniões desta gente já são uma agressão à ética e ao bom senso, imagine o potencial destrutivo de votar neles ou em quem eles indicam.

Não caia nesta.

 

 

Artigo de Paulo Falcão.