6434905_x720

Criou-se uma celeuma curiosa com a cena de Sérgio Cabral algemado pela Polícia Federal. Ele não é um simples suspeito, mas alguém já julgado e condenado. Mais do que isto: seu crime é mais grave e mais danoso do que o de criminosos comuns, pois o alcance de seus crimes afeta a vida de muito mais pessoas.

Em minha opinião, apesar da ridícula suma vinculante do STF, a Polícia Federal agiu bem e fez cumprir um princípio básico da justiça: todos os homens são iguais perante a lei e Sérgio Cabral não deve ter tratamento diferente do que recebe Fernandinho Beira Mar, por exemplo.

Neste Brasil de tanta impunidade, há um simbolismo poderoso e exemplar naquelas algemas, cinta e marca-passo. Muitos políticos podem ter se incomodado, talvez tenham pesadelos, exatamente porque a cena foi exemplar.

E aqui faço uma ponte para a outra celeuma que dominou os últimos dias: o julgamento de Lula e os idiotas que o consideram “importante demais” para ser julgado ou preso.

Não estou falando de jornalistas sérios como Reinaldo Azevedo que critica aspectos formais do julgamento feito por Moro e vê ali desrespeito ao Estado de Direito. Eu, por exemplo, penso que a abordagem toda foi errada e a tese mais acertada para enquadrar Lula seria a “Teoria do domínio do Fato” já utilizada com sucesso no mensalão contra José Dirceu. Mas minha opinião é irrelevante.

Relevante são militantes com e sem mandato fazendo ameaças nada veladas caso Lula venha a ser condenado em segunda instância. Já estão em Porto Alegre entre 1.000 e 2.000 militantes profissionais, movidos a cachê e mortadela. O número é muito inferior ao espaço que a mídia vem lhes reservando. Sua capacidade de cumprir as ameaças que andaram fazendo é muito menor que a pretensão.

O que vai acontecer de fato se Lula for novamente condenado? Nada, exatamente como nada aconteceu no impeachment de Dilma, apesar das ameaças de se colocar fogo no Brasil.

E vale para Lula o que disse sobre Cabral: ele não é um simples suspeito, mas alguém já julgado e condenado. Seu crime é mais grave e mais danoso do que o de criminosos comuns, pois o alcance de seus crimes afeta a vida de muito mais pessoas. Aliás, o número de pessoas afetadas pelos crimes de Lula é bem superior ao do próprio Cabral.

Não sei qual será a decisão dos juízes, mas as ameaças do PT e seus bate paus, por si só, já deveriam servir como incentivo ao agravamento das penas iniciais. E sem dúvida ver Lula algemado e preso seria muito, mas muito exemplar.

Veremos?

 

Artigo de Paulo Falcão.

Anúncios