questões relevantes

espaço para debate de ideias sobre a cultura e a civilização

UMA GERAÇÃO QUE FLERTA COM O ABSURDO.

cracolândia 615525-970x600-1

No Brasil tivemos recentemente manifestações maciças da esquerda em favor da cracolândia no centro de São Paulo. Não foram manifestações apenas contra o método de removê-las, foram manifestações defendendo literalmente aquela degradação total a céu aberto. É um absurdo praticamente inclassificável e, infelizmente, está longe de ser um fato isolado.

Hoje Alexandre Borges publicou um artigo que trata desta perda de parâmetros racionais na terra de John Locke e Adam Smith. É uma síntese sem muita esperança no que há por vir. Me parece uma reflexão necessária.

Introdução por Paulo Falcão.

 

_______________________________

corbyn-900x612

Seja qual for o resultado da eleição, perdemos.

por Alexandre Borges

 

Seja qual for o resultado da eleição desta quinta, a Inglaterra já pode chorar a perda dos seus jovens.

A esmagadora maioria dos britânicos mais novos vai votar alegremente num comunista radical de 68 anos com ligações com o Hamas, com o Hezbollah e com o governo iraniano, alguém que, mesmo após três ataques terroristas em três meses no próprio país, diz que apoiar publicamente o ISIS não pode ser criminalizado porque é apenas “uma opinião política”.

Se você já havia ficado assustado com o fenômeno Bernie Sanders nos EUA, candidato que só não disputou a presidência ano passado porque Hillary Clinton literalmente roubou a vaga, saiba que a situação no país do Bill of Rights, da common law, da Magna Carta e do primeiro parlamento do mundo é ainda pior.

Como dito no artigo anterior (“Entre a cruz e a espada“), Jeremy Corbyn consegue unir todas as piores idéias dos comunistas da sua geração com a agenda suicida de capitulação para radicais muçulmanos dos jovens esquerdistas europeus e americanos da geração de seus netos. Está dando certo.

Segundo os gráficos abaixo, publicados pela revista The Economist, que fazem uma média das pesquisas para a eleição do próximo dia 8, a ascensão de Jeremy Corbyn se explica, em grande parte, pela esmagadora preferência dos jovens britânicos por ele. Nada menos que 68% deles dizem que vão votar num velho comunista que assusta até os membros do próprio partido.

Captura-de-Tela-2017-06-06-às-1.35.12-PM

 

Captura-de-Tela-2017-06-06-às-1.34.43-PM

Os dados das pesquisas não deixam dúvidas: há um choque de gerações e mesmo que os conservadores vençam desta vez, sua mensagem não está mais chegando aos jovens e o partido pode estar, literalmente, morrendo. A mesma tendência à esquerda da juventude pode ser vista nas principais democracias ocidentais do mundo hoje.

A Geração X, que inclui os que, como eu, nasceram nas décadas de 60 e 70, falhou miseravelmente na transmissão aos filhos dos valores morais, éticos, religiosos e culturais que construíram a civilização ocidental. A Geração Y, dos nascidos aproximadamente entre 1980 e 1995, é talvez a mais esquerdista que o mundo já conheceu. E isso é muito, mas muito grave.

Enquanto a esquerda entendeu a importância da luta cultural, aparelhando a indústria do entretenimento e do jornalismo, as universidade e até o Vale do Silício, a direita liberal optou por focar suas pautas na defesa meramente economicista do liberalismo, repetindo abstrações ou platitudes sobre o livre mercado enquanto seus adversários convenciam a opinião pública de que suas idéias são as mais corretas, justas, inclusivas, tolerantes, igualitárias e solidárias. O resultado está aí.

A Inglaterra passou por décadas de domínio da esquerda após a Segunda Guerra, sendo salva por Margareth Thatcher a partir de 1979, mas aquela era uma outra geração de socialistas que falava basicamente em políticas de distribuição de renda e estatização de serviços públicos mas que não tinha como prioridade fazer reengenharia social do país. É um caminho sem volta.

Enquanto grande parte da direita liberal pensa na próxima eleição, a esquerda está sempre pensando na próxima geração. A direita fala em nomes, partidos, cargos, a esquerda age na ocupação de espaços, no aparelhamento da cultura e na doutrinação da população desde a primeira infância.

Se você ainda não percebeu qual estratégia está funcionando, volte e olhe novamente os gráficos acima. Eles falam por si.

 

Link para o artigo original AQUI.

 

Anúncios

20 comentários em “UMA GERAÇÃO QUE FLERTA COM O ABSURDO.

  1. Vanda Silvia Novelli
    06/08/2017

    Margareth Thatcher salvou a Inglaterra? Cruzes!

    • Questões Relevantes
      06/08/2017

      Salvou mesmo. Ela criou as bases para o Reino Unido voltar a crescer. Veja os números do PIB desde 1960:
      https://goo.gl/KikUfe

      • Eurico Silva
        06/08/2017

        Questões Relevantes, A Grã Bretanha atual (país berço da industrialização) é menos industrializado que Itália, país periférico e de capitalismo tardio. Não confunda PIB, com indústria. Grã Bretanha virou um mero país de serviços (financeiros, educacionais, e outros). Mas desindustrializado pela Velhaca já morta. Ao que tudo indica, esse país será um quintal alemão.

      • Questões Relevantes
        06/08/2017

        Eurico Silva , como sempre a esquerda não consegue se entender com a matemática nem quando desenhada na forma de gráfico.

        O Reino Unido RECUPEROU PIB e mercado após Thatcher. Mas talvez, por hábito ideológico, você veja tudo de cabeça para baixo.

  2. Lourival Marques
    06/07/2017

    Proibir o financiamento de mesquitas e madrassas em solo europeu por países muçulmanos (Arábia Saudita, Irã, Turquia) seria um bom começo. Desenvolver ainda mais as energias renováveis para depender menos do petróleo do mundo muçulmano também seria interessante.

    • Lourival Marques
      06/07/2017

      Se bem que não sei se ainda há tempo para reagir. A proporção de muçulmanos radicais em alguns países ocidentais cresce de modo avassalador (vide Suécia, Bélgica, França etc.).

      • Questões Relevantes
        06/08/2017

        Escrevi sobre esta questão há algum tempo. Acredito oportuno retomar a reflexão:
        COMO A CIVILIZAÇÃO PODE VENCER A BARBÁRIE SEM RECORRER AOS MESMOS MÉTODOS?
        http://wp.me/p4alqY-cX

      • Lourival Marques
        06/08/2017

        Paulo, eu sei que minhas sugestões são um tanto drásticas, mas diante de uma notícia como esta, do The Telegraph, honestamente, estou cada vez mais convencido de que, sim, algo drástico terá que ser feito:

        https://goo.gl/iqM5Cd

      • Questões Relevantes
        06/08/2017

        Lourival, a tentação por soluções mágicas ou de exceção pode ser grande, mas fora da democracia e do estado de direito caímos todos na vala comum do arbítrio.

        Acredito que possa realmente acontecer algum tipo de totalitarismo de direita contra esta loucura coletiva, mas será trágico.

        Fora da democracia raramente deixa de ser uma tragédia.

      • Lourival Marques
        06/10/2017

        Infelizmente, o que muitos governos têm feito na Europa, principalmente o sueco, é tratar quem quer que teça críticas aos muçulmanos que não se esforçam para integrar-se como “islamofóbicos”.

        Uma pena ver um continente que lutou séculos para promover a liberdade individual entregando-se assim a quem defende abertamente escravizar mulheres e matar homossexuais, entre outras barbaridades…

    • Lourival Marques
      06/09/2017

      É que pensei na questão da (falta de) reciprocidade: se o mundo muçulmano é hostil a tudo que não seja muçulmano, por que devemos aceitar que esses mesmos países financiem mesquitas e madrassas aqui no Ocidente?

      Aliás, os Estados não deveriam subvencionar religião alguma. Acho um erro não cobrar impostos de igrejas, sejam de qual religião forem…

      Eu adoraria estar errado, apenas exagerando, mas infelizmente o que estamos vendo é uma guerra de uma religião contra aqueles que não concordam com ela. Ou o Islã passa por uma reforma e deixa as prescrições bárbaras esquecidas nas páginas do Corão, ou qualquer diálogo civilizado será inviável.

      • Questões Relevantes
        06/09/2017

        Podemos, legalmente, ir mais longe: a incitação à violência é um crime em si e pode-se processar e prender quem a pratica, inclusive dentro de templos religiosos.

        As ferramentas existem. É preciso coragem de aplicá-las.

  3. Alfredo S. Amaral
    06/07/2017

    Temos um precedente perigoso na geração anterior à geração X: Foucault e seu apoio à revolução Iraniana liderada pelo Aiatolá Khomeini. A diferença, importante, é que naquela época a maior parte da esquerda estranhou tal apoio.

    Infelizmente parece que as ideias do renomeado filósofo corroeram o bom-senso das gerações futuras e hoje já encontram baixa resistência na esquerda.

    A posição de proteção contra utopias destrutivas que os conservadores sempre exerceram parece perder eficiência diariamente.

    Vejamos onde isso vai dar.

    • Questões Relevantes
      06/07/2017

      Obrigado pela contribuição.

  4. Lourival Marques
    06/07/2017

    Bom dia.

    Venho acompanhando o avanço do Islã faz um bom tempo, e cada vez mais horrorizado com a radicalização dos muçulmanos, especialmente os filhos e netos de imigrantes de países islâmicos.

    A impressão que me resta é que a Europa morreu e ainda não se deu conta. Morreu psicologicamente, assim digamos. Desde o pós-guerra, os europeus parecem considerar-se culpados por tudo que de errado há no mundo e indignos de manter a própria cultura em pé, cultura esta que é a base da nossa, e também que trouxe os maiores avanços à humanidade como um todo.

    Enfim, vou tentar conhecer a Europa antes que acabe. Abraço!!!

    • Questões Relevantes
      06/07/2017

      Obrigado. Boa contribuição. A observação de que os europeus parecem considerar-se culpados por tudo que de errado há no mundo e indignos de manter a própria cultura é muito oportuna.

      • Lourival Marques
        06/07/2017

        Uma guerra religiosa está em curso e um dos lados da batalha Ocidente) prefere fingir que nada está acontecendo.

      • Questões Relevantes
        06/07/2017

        Na verdade, parece não saber como reagir sem parecer autoritário.

      • Lourival Marques
        06/14/2017

        Acho que não é possível reagir sem parecer autoritário. Triste, mas parece que é isso.

        A propósito, não sei se vc já leu esta artigo de Vilma Gryzinski, da Veja. Recomendo:

        https://goo.gl/K0AuNf

        Sabe aquele ditado latino, “si vis pacem, para bellum”? Perdoe-me, mas assino embaixo…

      • Questões Relevantes
        06/14/2017

        Obrigado pela contribuição.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: