a imprensa agoniza

A notícia que circulou dizendo que a PF inocentou Lula no caso do Triplex do Guarujá é falsa. Trata-se do triplex 164/B, VIZINHO ao 164/A que o Ministério Público suspeita ter Lula como dono oculto.

Ocorre que este fato demonstrou o quanto a grande imprensa brasileira foi afetada pela perda de receita decorrente da migração de leitores do papel para as mídias digitais, bem como da redução de verbas federais que, no conjunto, são o maior anunciante do país.

Por mais que detratores adorem ofender, desqualificar e difamar o que chamam de PIG (partido da imprensa golpista), até pouco tempo quem quisesse confirmar se uma notícia era verdadeira ou falsa, verificava em um ou mais dos seguintes canais: Folha, Estadão, O Globo, Agência Estado, G1, Veja, Época, Exame e Valor Econômico. O que era publicado ali obedecia a critérios técnicos, havia departamentos para checar as informações antes de serem publicadas.

Ainda hoje são as melhores fontes de consulta, concentram os melhores profissionais, mas não há dúvida que a crise financeira afetou a qualidade da informação publicada.

O episódio do Triplex foi emblemático. Tanto a Folha como a Editora Abril, através do portal da Revista Exame, publicaram a notícia de que o Ministério Público e Sérgio Moro haviam concluído que o imóvel não pertencia ao Lula. Um erro grosseiro.

A Folha publicou a informação equivocada sob o título PF conclui relatório e indicia dona de tríplex no Guarujá e logo no primeiro parágrafo sacramenta o erro insinuado pelo título: “A Polícia Federal concluiu o relatório a respeito da Operação Triplo X, fase da Lava Jato, e indiciou Nelci Warken, dona de um tríplex no condomínio Solaris em Guarujá, supostamente ligado ao ex-presidente Lula”.

Na Exame.com, Valéria Bretas cometeu erro semelhante.

A coisa se espalhou e virou campanha dos portais conhecidos por serem linhas auxiliares de Lula e do PT, como Revista Forum, DCM, Viomundo, Brasil 247 etc.

Não sei se alguém plantou a notícia e Folha e Exame morderam a isca ou se foi um deles a origem da versão falsa, mas em qualquer dos casos a coisa só prosperou porque há falta de gente qualificada para analisar e verificar as informações. A quase coincidência total do endereço de fato poderia levar ao erro, mas um assunto desta gravidade exige atenção total e verificação.

A imprensa independente e crítica é chamada de quarto poder porque ajuda a sociedade na fiscalização dos três outros poderes que, independentes, formam a espinha dorsal da democracia: executivo, legislativo e judiciário.

Se a imprensa independente morre, a democracia perde.

A agonia da chamada Grande Imprensa é comemorada por muita gente, mas é péssima para a democracia. Aliás, é comemorada por muita gente EXATAMENTE porque é péssima para a democracia. Quem não tem a democracia como valor fundamental despreza a imprensa livre e vive sonhando com o controle social da mídia.

Não sei se é suficiente, mas quem compreende a importância da imprensa livre deveria fazer uma assinatura de um ou mais dos veículos tradicionais da imprensa Brasileira. Ajudar na sobrevivência de uma imprensa plural é uma forma efetiva de resistência contra o pensamento único.

 

Artigo de Paulo Falcão.

PS – Para que você mesmo possa pesquisar, lembre-se que o triplex 164-B foi investigado na Operação Triplo X e Lula não aparece como suspeito. Já o apartamento vizinho, o 164-A continua sendo investigado na Operação Aletheia e traz Lula como investigado.

Anúncios