questões relevantes

espaço para debate de ideias sobre a cultura e a civilização

SOBRE CUBA, PT E O CHOQUE DE REALIDADE.

cuba-envelhecimento-da-populacao-1446156457689_615x300

Valter Pomar é historiador formado pela USP e petista atuante. Em 2013, antes da ebulição total da política brasileira, publicou em seu blog um artigo interessante sobre Cuba. Há pontos que são questionáveis, mas o geral é honesto, inclusive deixando escapar que:

– Atualmente há fome na ilha de Fidel (falta de segurança alimentar).

– O modelo socialista nunca conseguiu andar com as próprias pernas (trocou a dependência dos EUA pela dependência da URSS e, posteriormente, pela ajuda principalmente da Venezuela de Chávez e o Brasil do PT).

– Lá também estão brigando com as contas públicas.

– As saídas para a crise atual expõem a fragilidade econômica da solução socialista.

Achei oportuno republicá-lo abaixo, precedido por uma breve introdução que fornece alguns parâmetros mínimos sobre Cuba antes da revolução. Algumas das informações que apresento abaixo conflitam com as informações que Valter Pomar agrupou no BOX INFORMATIVO apresentado ao final de seu artigo.

De qualquer maneira, lá ou aqui, é fácil reconhecer que a História de Cuba é movimentada.

Duas guerras para se libertar da dominação espanhola, em 1868 (que durou 10 anos) e 1896, destruíram a economia local e abriram as portas para interesses Norte Americanos, que em pouco tempo passam a dominar a economia.

Em 1898, para defender os próprios interesses, os EUA se aliam a Cuba e dão início à Guerra Hispano-americana, que põe fim à dominação Espanhola e reafirma a influência Norte Americana, ao ponto de, ao final da guerra, os cubanos não participarem da negociação de paz e terem que aceitar uma espécie de “ocupação” americana de 1891 a 1903 (Neste ponto é interessante chamar a atenção para uma questão lógica: se desde o fim da primeira guerra da independência a economia cubana passa a depender de investidores americanos; se os EUA já tinham uma posição de destaque na economia Cubana desde a década de 1880, não há sentido na afirmação de Valter Pomar de que “quando os revolucionários estavam para vencer a guerra de independência, os Estados Unidos invadiram Cuba a pretexto de “ajudar” na luta contra a Espanha”. Mas sigamos).

Embora evidentemente incômoda, a situação teve fatores positivos. A historiografia reconhece algumas conquistas interessantes para a os cubanos no período, como a eliminação da fome, a reforma do saneamento e a montagem de um eficiente sistema de educação pública que permanece como símbolo político da ilha até hoje.

Também estabeleceu um sistema eleitoral local e nacional, com eleições livres e sufrágio universal masculino (que foi posteriormente interrompido por sucessivos golpes).

Mas apesar dos fatores positivos, nas décadas seguintes a situação se deteriorou, com a crise econômica dos EUA afetando também Cuba e contribuindo para o crescimento do antiamericanismo.

A história de lutas e revoltas (com forte acento “anti-imperialista”) prosseguiu, com reformas e conquistas sociais, mesmo antes da Revolução Castrista. No início da década de 1930, uma revolta de suboficiais, da qual Fulgencio Batista participou, mas não como figura principal, entregou o poder a estudantes e houve expropriações de engenhos e limitação da jornada de trabalho.

De qualquer maneira, é importante lembrar que em 1958 Cuba já exibia uma taxa de alfabetização de 76% e renda per capita maior que a de diversos países europeus: U$11.300 dólares anuais, em valores atualizados, contra U$ 11.800,00 de um britânico.

Era também uma ditadura comandada por Fulgencio Batista, substituída por outra ditadura, desta vez comandada por Fidel Castro.

É sobre a segunda ditadura, a de esquerda, que trata o artigo abaixo, em que mesmo com uma visão benevolente, mesmo sonhando com modelo semelhante no Brasil, não consegue ocultar os problemas.

Os negritos no texto são meus.

 

Introdução acima por Paulo Falcão.

______________________________

Cuba, maio de 2013.

Por Valter Pomar.

Entre 28 de abril e 1 de maio de 2013, uma delegação do Partido dos Trabalhadores visitou Havana, Cuba.

A delegação foi composta por Rui Falcão, presidente nacional do PT; Iriny Lopes, secretária de relações internacionais do PT; João Vaccari, tesoureiro nacional do PT; José Guimarães, líder do PT na Câmara dos Deputados; Ângela Portela, senadora; Francisco Campos e Valter Pomar, integrantes do Diretório Nacional.

A programação incluiu entrevistas aos meios de comunicação; reuniões com integrantes do Comitê Central do Partido Comunista, entre os quais José Ramon Balaguer e Machado Ventura; contatos com integrantes do governo e parlamento, como Marcelino Medina, vice-ministro do Ministério de Relações Exteriores, Ana María Mari Machado, vice-presidenta da Assembléia Nacional do Poder Popular, Marino Murillo Jorge, vice-presidente do Conselho de Ministros, Kenia Serrano, deputada e presidenta do Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP), além de Miguel Mario Díaz-Canell, membro do Buró Político do Comitê Central do Partido Comunista e primeiro vice-presidente do Conselho de Estado e do Conselho de Ministros da República de Cuba.

A delegação também participou do V Encontro de Petistas e Núcleos do PT no Exterior; manteve um encontro com a Agência de Promoção das Exportações do Brasil em Cuba (APEX) e com o Embaixador do Brasil em Cuba, José Eduardo Martins Felicio.

Além disso, participou da reunião do Grupo de Trabalho do Foro de Sao Paulo, realizou um intercâmbio com familiares dos cubanos presos nos Estados Unidos e esteve na comemoração do Día Internacional dos Trabalhadores.

De abril de 1961 até hoje, Cuba busca construir o socialismo. Numa primeira etapa, tentou um caminho próprio, tanto do ponto de vista político quanto econômico.

Simbolicamente, esta etapa “experimental” pode dar-se por encerrada em 8 de outubro de 1967, quando Che Guevara foi assassinado na Bolívia. Naquele momento ficou claro que, pelo menos temporariamente, estava encerrado um ciclo revolucionário latinoamericano e caribenho, obrigando Cuba a depender do apoio soviético mais do que os cubanos certamente gostariam.

Numa segunda etapa, a transição socialista em Cuba tornou-se altamente dependente do modelo soviético. Esta etapa começa a encerrar-se por decisão unilateral da URSS, no período Gorbachev; e se encerrou de maneira abrupta com a dissolução da URSS, em 1991.

Entre 1989 e 1991, entre a dissolução dos regimes socialistas no Leste Europeu e o fim da URSS, as exportações cubanas se reduziram em 62% e as importações caíram pela metade.

Ao mesmo tempo, os Estados Unidos ampliaram o bloqueio e todo tipo de sabotagem contra a Ilha, na expectativa de que Cuba tivesse o mesmo destino dos regimes dirigidos pelos partidos comunistas do Leste Europeu.

Durante esta terceira etapa, há um forte debate sobre como sobreviver e prosseguir socialista, nas terríveis condições dos anos 1990, com unilateralismo, neoliberalismo e colapso do socialismo.

O problema de fundo enfrentado por Cuba é clássico: uma revolução num país de baixo desenvolvimento capitalista, cercado e hostilizado pelo imperialismo, só pode realizar uma transição socialista exitosa se contar com a) apoio externo e/ou b) achar maneiras próprias de desenvolver sua capacidade econômica, suas forças produtivas.

O apoio externo, proveniente da União Soviética, entre 1961 e 1991, permitiu a Cuba manter um padrão de vida superior à sua própria capacidade produtiva. O desaparecimento da URSS obrigou a superestrutura cubana a depender de uma economia marcada por fortes limitações.

Cuba foi colocada diante da necessidade de substituir as importações baratas, oriundas principalmente da URSS e do Leste Europeu, por produção nacional e/ou importações caras vindas do mundo capitalista, alternativa que implicava gerar divisas em moeda estrangeira, para pagar as importações.

No curtíssimo prazo, as receitas (em moeda conversível) necessárias para isto vieram em parte do turismo, em parte de exportações. Mas as receitas arrecadadas, especialmente no contexto do bloqueio, não eram suficientes para financiar o funcionamento geral da economia, as políticas públicas e os salários bancados pelo Estado, o que foi gerando um crescente déficit.

Cuba segue, hoje, diante da necessidade de garantir segurança alimentar, autonomia energética e industrial.

Ao longo da terceira etapa (1991-2013), o governo cubano experimentou três políticas distintas.

A primeira ficou conhecida como “período especial”, em que foi adotada uma “economia de guerra em período de paz”.

O segundo tipo de política foi adotado quando teve início o ciclo de vitórias eleitorais das forças progressistas e de esquerda na América Latina e Caribe.

O terceiro tipo de política começa depois que Raul Castro assume o governo, devido ao afastamento de Fidel, por motivos de saúde.

A política atual está descrita num documento chamado “Lineamientos para la Política Económica y Social del Partido y la Revolución”, um conjunto de orientações aprovadas pelo Sexto Congresso do Partido Comunista de Cuba, realizado em 2011.

Tendo como objetivo construir um “socialismo próspero y sostenible”, os “Lineamientos” reafirmam a propriedade social dos meios de produção fundamentais e falam em “atualização do modelo”. 

A leitura dos “Lineamientos” e as ações práticas decorrentes não constituem, entretanto, uma mera “atualização”, mas sim o abandono de um determinado “modelo” de construção do socialismo, baseado na quase exclusiva propriedade estatal dos meios de produção, em favor de outro caminho que, para desenvolver as forças produtivas indispensáveis ao socialismo, apela para diferentes formas de propriedade privada e relações de mercado.

Este outro caminho, na medida em que busca dar uso produtivo para a capacidade de trabalho de amplos setores da população cubana, também implica em legalizar e em alguns casos ampliar a desigualdade social. O que tanto resolve quanto cria velhos e novos problemas.

As reformas (termo mais adequado que “atualização do modelo”) geram polêmicas. A direita não gosta da reafirmação do socialismo, nem da manutenção do Partido Comunista no comando do Estado cubano: Raul Castro deixou claro que não foi eleito para fazer Cuba voltar a ser capitalista.

Por outro lado, setores de esquerda não apreciam as “concessões ao capitalismo”, além dos que defendem que as reformas sejam acompanhadas de mais debate e democracia popular, inclusive para tratar das citadas desigualdades.

Para além destas polêmicas, há a conjuntura internacional e latinoamericana. O resultado da eleição venezuelana de 14 de abril mostra, entre outras coisas, os riscos embutidos em qualquer dependência. Há o fator Estados Unidos, que mantém o bloqueio, sendo que o almejado fim do bloqueio também contém seus perigos: uma invasão de dólares. Além disso, há as dificuldades em si do processo de reformas, entre as quais aquelas derivadas de mais de 50 anos de poder, com suas conquistas, mas também com suas debilidades, sentidas com muita força pelas gerações mais recentes.

Estas dificuldades exigem manter e aprofundar nossas relações com Cuba. Claro que as reformas em Cuba abrem espaço para negócios que interessam a setores empresariais. Claro, também, que o fortalecimento de Cuba interessa à política de integração regional, que de fato constitui uma política de Estado, para além da esquerda.

Mas no caso específico do Partido dos Trabalhadores e de outros setores da esquerda brasileira, a decisão de manter e aprofundar as relações com Cuba incluem motivações de outra natureza.

 Cuba é um dos pontos altos da luta antiimperialista, pela soberania nacional, contra a ingerência externa, e esta luta nos diz respeito. Cuba constitui a primeira tentativa de construir um país socialista na nossa região do mundo, e esta luta também nos diz respeito. Portanto, o sucesso de Cuba também é, pelo menos em alguma medida, nosso sucesso.

 Vale dizer que o governo cubano e o Partido Comunista apreciam tremendamente as relações com o governo Dilma e o apoio constante do PT. A recíproca é e deve seguir sendo verdadeira.

 

BOX INFORMATIVO

 

Cuba é uma ilha situada no mar do Caribe, com 110.922 km2 de extensão. O PIB é de 54 bilhões de dólares; a dívida externa de aproximadamente 12 bilhões. O IDH (2003) era de 0,817, o que naquele momento colocava Cuba em 8º lugar na América Latina e 52º lugar no mundo.

A população gira ao redor de 11.164.000 habitantes, 76% urbanos. Quase 2% da população latinoamericana e 0,16% da população mundial, números que em 1950 eram 3,5% e 0,23% respectivamente. Uma tendência ao envelhecimento.

O principal fato político da história cubana foi e segue sendo a luta pela independência.

Como a oligarquia cubana era altamente integrada a metrópole, a luta pela independência frente a Espanha foi travada em grande medida pelas classes exploradas; o que por sua vez deu à luta pela independência um caráter político e social muito radical.

Na luta pela independência, há três marcos: a guerra de 1868-1878 (derrotada); a guerra de 1895-1902 (parcialmente vitoriosa); e a revolução de 1953-1959 (vitoriosa).

Na guerra de 1895-1902, quando os revolucionários estavam para vencer a guerra de independência, os Estados Unidos invadiram Cuba a pretexto de “ajudar” na luta contra a Espanha.

Por isto, quando é proclamada, em 20 de maio de 1902, a República de Cuba nasce constitucionalmente atrelada aos Estados Unidos. A chamada Emenda Platt legalizava o direito dos EUA intervirem em Cuba.

A história de Cuba, de 1902 até 1959, girou ao redor da luta de independência contra os Estados Unidos.

Esta luta passa por diversas etapas, a última das quais se combina com a luta contra a ditadura surgida a partir de março de 1952, quando ocorre um golpe encabeçado pelo sargento Fulgencio Batista.

Uma das reações a este golpe é o ataque ao Quartel Moncada, ataque liderado por Fidel Castro, jovem advogado ligado ao Partido Ortodoxo, partido que provavelmente venceria as eleições canceladas devido ao golpe.

O ataque ao Moncada, realizado no dia 26 de julho de 1953, é massacrado e os poucos sobreviventes, entre eles Fidel, são condenados à prisão.

Anistiados em 1955, fundam o Movimento 26 de julho, vão para o exílio e desencadeiam um plano político-militar que os levaria ao poder, em 1 de janeiro de 1959.

É importante ter claro que o M26 de julho era uma organização político-militar, com forte base urbana; existiam outras forças com muita presença de massa, como o Diretório Revolucionário e o Partido Popular Socialista (o PC local), além de um forte movimento estudantil e sindical.

A revolução vitoriosa em 1959 foi democrática, nacional e popular. Converteu-se em anti-imperialista e socialista à medida que as ações do governo revolucionário entraram em choque com os interesses políticos e econômicos dos Estados Unidos.

O marco da conversão de uma revolução democrático-popular em uma revolução socialista foi o discurso feito por Fidel Castro, dia 15 de abril de 1961, na véspera da invasão da Praia Girón, episódio também conhecido como Baia dos Porcos, quando um grupo de mercenários contratados, treinados e armados pelos Estados Unidos desembarcou na Ilha, sendo cercado e derrotado pelas forças armadas cubanas.

Link para o artigo original: http://valterpomar.blogspot.com.br/2013/05/cuba-maio-de-2013.html

 

Anúncios

20 comentários em “SOBRE CUBA, PT E O CHOQUE DE REALIDADE.

  1. Paulo: vc floreou um pouco a situação de Cuba antes da revolução. Era um país onde a grande maioria vivia na pobreza, um país agrário onde havia latifúndio e quase tudo era importado dos USA. Apenas uma minoria era rica.

    Existe, então, hegemonia operária nas universidades e nas novelas da Globo? Se alguém dá beijo gay isso seria gramscianismo, Paulo? Explique…

    • Questões Relevantes
      08/07/2016

      Não floreei nada. Havia miséria lá como havia em quase todo lugar no século XIX. Com a primeira guerra da independência, que teve como líder o latifundiário Carlos Manuel de Céspedes del Castillo e durou dez anos, Cuba quebrou. Os produtores rurais, que eram os motores da economia cubana, quebraram. Foi quando, por necessidade, passaram a atrair investidores dos EUA.

      É importante olhar as coisas com a perspectiva correta.

      • Você se esqueceu de mencionar a prostituição, até 1959, endêmica em Cuba (boa parte da população) e que ultimamente parece ter ressurgido das sombras.

  2. Gramsci fala em hegemonia de classe. Aliás, Paulo, vc acredita mesmo que a classe operária tem hegemonia no meio cultural?

    • Questões Relevantes
      08/08/2016

      Lúcio, acho que os conceitos desenvolvidos por Gramsci foram diluídos, modificados, peneirados e, junto com a indústria cultural multidisciplinar da Escola de Frankfurt, deram origem a uma prática que talvez não seja uma estratégia consciente, mas que ocorre mesmo assim: a produção cultural “de esquerda” nos mais variados setores, da música pop às universidades. Isto é visível até mesmo nos EUA. Nem Hollywood escapa. Aliás, o malfadado Macartismo nasceu como uma reação a esta percepção (algo que infelizmente guarda parentesco com o atual e brasileiro movimento Escola Sem Partido).

      A classe operária não teve papel hegemônico nem nas revoluções Russa e Chinesa, capitaneadas por Lênin e Mao, dois intelectuais que nada tinham de operários. Nos dois casos, a tal “classe operária” foi massa de manobra e nunca chegou ao poder. Aliás, em Cuba não foi muito diferente. Embora Fidel não seja nenhum intelectual, era político e advogado antes de se tornar guerrilheiro.

      • Acho que vc confunde causa humanitária com esquerda. Existem ongs de direita, inclusive a escola sem partido é excelente exemplo. Ternuma me parece ser um bom também.

        No caso das revoluções, o que ocorre é que todas são feitas por minorias, as massas se identificam e vão atrás.

      • Questões Relevantes
        08/09/2016

        Médio. Vão atrás ou…são coagidas a isto. URSS sob Stálin e a China sob Mao tiveram muito de coação.

  3. Rafael Freitas
    08/07/2016

    Este artigo tem um certo americanismo gramsciano.

    • Questões Relevantes
      08/07/2016

      Dá pra explicar?

      • Rafael Freitas
        08/07/2016

        Me referi ao escrito dele sobre o americanismo e o fordismo. Americanismo reduzido aos EUA.

      • Lúcio Júnior Espírito Santo
        08/07/2016

        Gramsci é um autor, na verdade, obscuro a respeito de tudo.

      • Gerson Soares de Melo
        08/07/2016

        Obscuro? Talvez isto explique a enrascada que o PT está metido.

      • Rafael Freitas
        08/07/2016

        Dizer que o PT é gramscista é tão errôneo quanto pensar que nossa escola pública seja referenciada pela pedagogia do oprimido. Boa, Cuba nos sonhos e a cúpula do PT nosso pesadelo.

      • Lúcio Júnior Espírito Santo
        08/07/2016

        O PT é gramsciano, sim, no sentido em que Gramsci sai alterando a torto e a direito Marx e Lenin, “viajando” e pensando em coisas como transição socialista via parlamento.

      • Questões Relevantes
        08/07/2016

        Rafael, na área cultural e de costumes reconheço frequentemente elementos gramscianos na atuação da esquerda em geral e do PT em particular. Já a pedagogia de Paulo Freire, na prática, quase não existe. Quanto a sonhar com Cuba, é almejar carências e dependência. Não me parece uma boa ideia.

      • Lúcio Júnior Espírito Santo
        08/07/2016

        Paulo, acho isso errôneo. Gramsci jamais propôs o fim do patriarcado, jamais propôs relaxamento dos costumes. Igualmente, o que ele propôs em termos de cultura foi o nacional e o popular. O PT jamais foi nacional e popular, jamais pensou a nação.

      • Questões Relevantes
        08/07/2016

        Lúcio, , já discutimos a questão da estratégia de hegemonia marxista através da cultura no artigo A PROVA QUE A DIREITA TEM CORAÇÃO. Penso que Gramsci, como Marx, é muito mais citado do que lido. Mas seja por leitura primária, seja por osmose, a estratégia gramsciana de dominação gradual através da cultura “pegou”. Se tornou praticamente hegemônica. Da literatura às novelas, do teatro ao cinema, da música às discussões acadêmicas, a grande maioria da produção é simpática à esquerda. Não vai aqui nenhum juízo de valor, apenas a constatação de um fato. Aliás, é esta hegemonia, também presente nas salas de aula, que desencadeou o movimento “Escola sem partido”. Trata-se de um movimento reativo mais do que propositivo.

      • Lúcio Júnior Espírito Santo
        08/07/2016

        Não vejo hegemonia. A questao é imitar primeiro mundo. E no primeiro mundo direitos humanos e direitos civis nem estao em questão.

        Procure gramsci no youtube e veja de quem é a hegemonia. Pt tivesse hegemonia não cairia desse jeito. E outra. Hegemonia é de classe.

      • Questões Relevantes
        08/07/2016

        A hegemonia que você almeja é a de classe, mas a discussão é sobre hegemonia cultural.

  4. Lúcio Júnior Espírito Santo
    08/07/2016

    Excelente, viu Paulo Falcão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: