questões relevantes

espaço para debate de ideias sobre a cultura e a civilização

OS 62 MAIS RICOS DO MUNDO, OS 50% MAIS POBRES E AS CONCLUSÕES RIDÍCULAS.

4c6n9fz0tq_29eon60ykm_file

Costumo afirmar que a esquerda e a lógica têm dificuldades de relacionamento. Também digo que não acredita na matemática. Eles respondem que isto é “Argumentum ad hominem” ou “argumento contra a pessoa”, uma técnica para negar uma proposição criticando o autor e não o conteúdo. Não é o caso de nada que escrevo. Chego a ser chato exatamente por isso: insisto na análise das teses e das práticas. Peço atenção à mensagem e não ao mensageiro. Em alguns casos a mensagem desqualifica o mensageiro, mas é raro que use o caminho inverso, ou seja, dizer que o mensageiro desqualifica a mensagem.

Para demonstrar mais uma vez minha tese resolvi analisar os elementos mais espalhafatosos da famosa pesquisa do instituto Oxfam segundo a qual 1% da população global detém a mesma riqueza dos 99% restantes e que as 62 pessoas mais ricas possuem mais riqueza que os 50% mais pobres.

A pesquisa tem umas conclusões meio estranhas, na linha da curiosa definição de “classe média” no governo Dilma, mas nem vamos entrar neste mérito. Vamos aceitar os números. A esquerda fez um carnaval com eles. Há um ou mais artigos sobre o assunto em todos os blogs e portais “progressistas” chamando a atenção para o absurdo, para a falência do modelo capitalista, para a desigualdade como o mal absoluto e para “a óbvia solução socialista”.

É claro que ninguém desta turma fez contas. É claro que ninguém parou para pensar realmente no assunto. Pensam com o fígado. E isto não é “Argumentum ad hominem”, é no máximo metonímia, já que não se ouve ou se lê manifestações da esquerda desafinando este coro. É trise, mas é a realidade.

Vamos começar pelos 62 mais ricos. A fortuna deles, acumulada ao longo de toda uma vida soma U$ 1720.6 bilhões de dólares. É realmente um dinheirão. A solução mais sonhada pela turma que adora socializar o capital alheio é confiscar tudo (talvez enforcar estes capitalistas em suas tripas) e dividir o valor entre os 50% mais pobres. São aproximadamente 3,6 bilhões de pessoas (é bom lembrar que deste total, 1 bilhão está na China, o mais próspero país socialista, e outro bilhão na Índia, país que sofre com sua cultura de castas e nunca foi um país capitalista ou uma democracia liberal).

Dividindo um pelo outro, cada uma das pessoas que está entre os 50% mais pobres receberia U$ 477,94. É isto mesmo, quatrocentos e setenta e sete dólares e noventa e quatro centavos. Não é por mês. É valor total. Resolveria o problema da desigualdade? Não. Da fome? Não.  Da falta de perspectiva? Não. Mas criaria um problemão na outra ponta: milhares de funcionários qualificados perderiam o emprego, a atividade econômica nas áreas mais dinâmicas da economia seria drasticamente afetada e contribuiria enormemente para o empobrecimento geral. Lembre-se que a riqueza que pode ser cobiçada e confiscada é finita. No fim, é como dizia Thatcher, quando acaba o dinheiro dos outros, o sonho socialista acaba também.

Não localizei a informação sobre o valor total concentrado nas mãos de 1% da população e que equivaleria à riqueza dos 99% restantes, mas podemos pensar que o resultado final de seu confisco seria semelhante ao descrito acima, provavelmente com um desarranjo ainda mais grave da economia.

A desigualdade é um problema e deve ser combatida, principalmente a desigualdade “na partida”, como segurança alimentar, saneamento básico e educação de qualidade.  Não se combate a desigualdade punindo aqueles que possuem um maior talento para a geração de riqueza. É melhor e mais eficiente uma das três alternativas: aliar-se a eles, competir com eles ou estudar formas de aplicar suas técnicas de gestão.

É claro que a esquerda nega o talento destas pessoas para gerar riqueza. Diz que eles só sabem expropriar trabalho alheio. Não conseguem entender o impacto positivo que têm na geração de empregos em si e o quanto suas idéias e competência estimula funcionários, fornecedores e consumidores.

Dizem também que estes “muito ricos” o são por herança, não por mérito. Em alguns casos é verdade, mas nos 62 mais ricos que ilustram a pesquisa, parte importante é de pessoas que construíram a própria fortuna.

De qualquer maneira, resta claro que há muito mais de inveja e desejo irracional de “vingança” do que de crítica consistente nas muitas linhas que produziram. Resta claro também que a solução que desenham cria a igualdade deixando todos pobres.  Impossível não lembrar aqui da famosa frase de Joãozinho Trinta: “intelectual é que gosta de miséria, pobre gosta de luxo”.

Segue a lista dos 62 bilionários que a esquerda adoraria punir:

1 Bill Gates – US$ 79,2 bi –   Microsoft – EUA

2 Carlos Slim Helu – US$ 77,1 bi –   telecom – México

3 Warren Buffett – US$ 72,7 bi –   Berkshire Hathaway – EUA

4 Amancio Ortega – US$ 64,5 bi –   Zara – Espanha

5 Larry Ellison – US$ 54,3 bi –   Oracle – EUA

6 Charles Koch – US$ 42,9 bi –   diversos – EUA

7 David Koch – US$ 42,9 bi   – diversos – EUA

8 Christy Walton – US$ 41,7 bi    – Wal-Mart  – EUA

9 Jim Walton – US$ 40,6 bi    – Wal-Mart – EUA

10 Liliane Bettencourt – US$ 40,1 bi   – L’Oreal – França

11 Alice Walton – US$ 39,4 bi    – Wal-Mart – EUA

12 S. Robson Walton – US$ 39,1 bi    – Wal-Mart – EUA

13 Bernard Arnault – US$ 37,2 bi   – LVMH – França

14 Michael Bloomberg – US$ 35,5 bi    – Bloomberg LP – EUA

15 Jeff Bezos – US$ 34,8 bi    – Amazon.com – EUA

16 Mark Zuckerberg – US$ 33,4 bi   – Facebook – EUA

17 Li Ka-shing – US$ 33,3 bi    – diversos – Hong Kong

18 Sheldon Adelson – US$ 31,4 bi    – cassinos – EUA

19 Larry Page – US$ 29,7 bi    – Google – EUA

20 Sergey Brin – US$ 29,2 bi     – Google – EUA

21 Georg Schaeffler – US$ 26,9 bi    – rolamentos – Alemanha

22 Forrest Mars Jr. – US$ 26,6 bi    – doces – EUA

22 Jacqueline Mars – US$ 26,6 bi    – doces – EUA

22 John Mars – US$ 26,6 bi     – doces – EUA

25 David Thomson – US$ 25,5 bi     – mídia – Canadá

26 Jorge Paulo Lemann – US$ 25 bi     – bebidas – Brasil

27 Lee Shau Kee – US$ 24,8 bi     – imóveis – Hong Kong

28 Stefan Persson – US$ 24,5 bi    – H&M – Sweden

29 George Soros – US$ 24,2 bi    – hedge funds – EUA

29 Wang Jianlin – US$ 24,2 bi     – imóveis – China

31 Carl Icahn – US$ 23,5 bi    – investimentos – EUA

32 Maria Franca Fissolo – US$ 23,4 bi     – Nutella – Itália

33 Jack Ma – US$ 22,7 bi      – comércio digital – China

34 Prince Alwaleed bin Talal Alsaud – US$ 22,6 bi     – investimentos – Arábia Saudita

35 Steve Ballmer – US$ 21,5 bi     – Microsoft – EUA

35 Phil Knight – US$ 21,5 bi     – Nike – EUA

37 Beate Heister & Karl Albrecht Jr. – US$ 21,3 bi      – supermercados – Alemanha

38 Li Hejun – US$ 21,1 bi –       equipamento de energia solar – China

39 Mukesh Ambani – US$ 21 bi –     petroquímicos, óleo e gás – Índia

40 Leonardo Del Vecchio – US$ 20,4 bi     – óculos – Itália

41 Len Blavatnik – US$ 20,2 bi    – diversos – EUA

41 Tadashi Yanai – US$ 20,2 bi     – varejo – Japão

43 Charles Ergen – US$ 20,1 bi      – Dish Network – EUA

44 Dilip Shanghvi – US$ 20 bi     – farmacêuticos – Índia

45 Laurene Powell Jobs – US$ 19,5 bi     – Apple, Disney – EUA

46 Dieter Schwarz – US$ 19,4 bi    – varejo – Alemanha

47 Michael Dell – US$ 19,2 bi      – Dell – EUA

48 Azim Premji – US$ 19,1 bi     – software- Índia

49 Theo Albrecht Jr. – US$ 19 bi     – Aldi, Trader Joe’s – Alemanha

50 Michael Otto – US$ 18,1 bi     – varejo, imóveis – Alemanha

51 Paul Allen – US$ 17,5 bi     – Microsoft, investimentos – EUA

52 Joseph Safra – US$ 17,3 bi     – financeiro – Brasil

53 Anne Cox Chambers – US$ 17 bi      – mídia – EUA

54 Susanne Klatten – US$ 16,8 bi BMW     –  farmacêuticos – Alemanha

55 Pallonji Mistry – US$ 16,3 bi       – construção – Irlanda

56 Ma Huateng – US$ 16,1 bi     – mídia – China

57 Patrick Drahi – US$ 16 bi     – Telecom – França

58 Thomas & Raymond Kwok – US$ 15,9 bi     imóveis – Hong Kong

59 Stefan Quandt – US$ 15,6 bi     – BMW – Alemanha

60 Ray Dalio – US$ 15,4 bi –      Hedge funds – EUA

60 Vladimir Potanin – US$ 15,4 bi     – metais – Rússia

62 Serge Dassault – US$ 15,3 bi      – aviação – França

 

Artigo de Paulo Falcão.

Anúncios

34 comentários em “OS 62 MAIS RICOS DO MUNDO, OS 50% MAIS POBRES E AS CONCLUSÕES RIDÍCULAS.

  1. Dalvit
    05/18/2016

    Você montou um argumento baseado em dinheiro e matemática. Demonstrou que sabe fazer conta. A questão da desigualdade é de economia e política. É outra banda tocando outra música. A propósito: como é que se fica rico? Você sabe?

    • Questões Relevantes
      05/18/2016

      Dalvit, todo ano milhares de pessoas descobrem como ficar rico. Há inclusive diversos livros sobre casos inspiradores. Um deles, que recomendo, chama-se Made in Japan de Akio Morita, o engenheiro que fundou a Sony.

      Quanto à questão da desigualdade, ela é a condição natural do homem. Uma sociedade pode e deve atuar para equiparar (por cima) as condições que afetam o início da vida das pessoas, como lembro no artigo.

      Também trato deste tema em dois outros artigos.

      OS DEVOTOS DE “SÃO MARX DA MAIS VALIA”, O NEOLIBERALISMO E A LÓGICA.
      http://wp.me/p4alqY-c3

      e A MERITOCRACIA E SEU OPOSTO.
      http://wp.me/p4alqY-eo

      • Francisco Fábio
        01/17/2017

        Paulo, voltaste, continuas o mesmo. Realidade! não é realidade. Continuas cego!.

      • Questões Relevantes
        01/17/2017

        Mas um cego que sabe fazer contas e não faz proselitismo do pesadelo socialista.

  2. Pedro
    05/17/2016

    Marx não era igualitarista, definia o comunismo assim: “De cada um segundo suas capacidades, a cada um segundo suas necessidades”.

    • Questões Relevantes
      05/17/2016

      Pedro, esta não era a definição, era o sonho, a projeção. Trato desta afirmação neste artigo:
      O PARAÍSO DE MARX E DO PROFETA ISAÍAS.
      http://wp.me/p4alqY-lw

      • Pedro
        05/17/2016

        Qualquer mente saudável é capaz de fazer projeções

      • Questões Relevantes
        05/17/2016

        Pedro, Marx fez boas análises do passado e péssimas projeções do futuro. Não acertou uma. No entanto continua arregimentando fiéis, como em uma seita. Fazer projeções é humano, é até saudável, mas acreditar em projeções mesmo depois delas fracassarem, depois de seus “testes de campo” se mostrarem desastrosos, não indica nada muito saudável.

      • Pedro
        05/17/2016

        Marx faz um convite para reflexão, não são conceitos fechados que ele propõe.

      • Questões Relevantes
        05/17/2016

        Contra a fé é difícil argumentar.

  3. lemosac
    05/14/2016

    Prezado Paulo, mais uma vez agradecido pela contribuição!

    No último parágrafo você comenta: “Resta claro também que a solução que desenham cria a igualdade deixando todos pobres. ”

    O que a isso se oporia a diversidade das características idiossincráticas dos indivíduos.
    Os defensores dessa ideia não compreendem que a igualdade, com que em tese sonham, seria a curto prazo desfeita pela força das situações e logo essa igualdade desapareceria.

    • Questões Relevantes
      05/14/2016

      Me incomoda esta ideia equivocada sobre igualdade, mas me incomoda ainda mais a incapacidade de reconhecer a responsabilidade fiscal como um valor republicano que protege as conquistas sociais.

  4. Bruno Da Costa Ribeiro
    05/14/2016

    Defender privilégios ou disparidades sempre foi a praxe das pessoas conservadoras comprometidas com o status quo isso vai de Platão e Aristóteles que apesar de terem em seus ensinamentos até hoje uma qualidade atemporal tentavam justificar, o injustificável a escravidão. Você não faz diferente, ao tentar validar um sistema que para nós e tantos outros não tem como continuar. A busca por crescimento econômico infinito é inviável num país finito.

    • Questões Relevantes
      05/14/2016

      Bruno, curiosamente sua resposta reforça ponto por ponto o que afirmo no artigo acima. Exatamente por isso lembro que faz muito mais sentido melhorar um sistema que já mostrou grande capacidade de evolução do que insistir em um modelo que só produziu totalitarismos e pobreza bem distribuída (não para a nomenklatura, claro). Quanto à sua última frase, concordo com ela, tanto que escrevi o seguinte em um artigo de janeiro de 2016: “Quando o muro de Berlim caiu em 1989 e o império soviético se esfacelou em 1991, Francis Fukuyama não perdeu a piada e publicou o livro “O Fim da História”. Foi uma gritaria geral, mas ele apenas explorava o final não previsto por Marx.

      O capitalismo certamente não é o fim da História. Aliás, acho que está precisando de uma reciclada. Estamos nos aproximando de uma nova “destruição criativa” do capitalismo, em que se buscará um novo padrão de produção e consumo, com redução da geração e lixo, questionamento das embalagens descartáveis, necessidade de maior durabilidade dos produtos e sua adequação à reciclagem etc.

      O consumo consciente é o próximo horizonte (não que esteja próximo) e certamente a Social Democracia estará no centro desta discussão, em todos os sentidos”.

    • Bruno, teu erro parece estar em achar que a economia é uma espécie de soma de zeros onde riqueza não é gerada e apenas circula de uma pessoa para outra… Um erro comum de quem tem Marx como referência. O teu erro aparentemente(posso estar errado) está em achar que para um ganhar outro deve perder… É também um erro seu e comum da esquerda achar que a desigualdade é O problema, quando em realidade é o estado natural das relações sociais, assim como na natureza. Uma permanente desigualdade não torna inviável crescimento ou dignidade. Eu prefiro uma sociedade extremamente desigual onde todos têm dignidade e oportunidades do que uma sociedade onde são todos igualmente miseráveis.

      A esquerda erra pois ataca o alvo errado. Ao invés de atacar a desigualdade, deveriam trabalhar por crescimento da sociedade como um todo, o que beneficia pobres e ricos, mesmo que não modifique o fator desigualdade.

      Outro erro comum é achar que a riqueza fica sempre com os mesmos poucos. Se fizer uma pesquisa, tendo como recorte a sociedade brasileira, verá que, salvo exceções, a grande maioria das famílias ricas de 100 anos trás não são nada além de classe média hoje, isso se não desapareceram, e a grande maioria dos ricos da atualidade são filhos ou netos de miseráveis, mostrando que a mobilidade social ao longo das décadas é enorme.

      “A busca por crescimento econômico infinito é inviável num país finito.” Como gosto de dizer, a realidade refuta com força esse teu argumento, visto que a busca por crescimento econômico é o que movimenta e cria desenvolvimento na sociedade ocidental nos últimos 200 anos… A prova de que isso é uma falácia são países como Venezuela, onde foi retirado o estímulo para a busca pelo crescimento econômico. Os empresários grandes saíram do país, os pequenos estão na miséria. O Maduro e alguns da esquerda dizem que a miséria de lá é uma grande conspiração das elites. Que elites? Nenhum empresário em sã consciência passaria anos sem vender e tomando um prejuízo brutal, o objetivo do empresário é sempre crescer, contratar, vender. Essa imagem demonizada dos empresários é um equívoco grave, já que sem o empreendedorismo(que é em resumo a busca por crescimento econômico) a sociedade não vai pra frente. E antes que tu fale em miséria gerada por capitalismo, a revolução industrial herdou um mundo de miseráveis da agonizante sociedade feudal. Essa mesma sociedade não se curou das mazelas da noite para o dia, mas basta ver os gráficos de crescimento populacional para perceber que a riqueza (inclusive comida) gerada pela revolução industrial e capitalismo permitiu um aumento populacional, essa mesma busca por crescimento econômico que tu critica também levou ao desenvolvimento da medicina e outros fatores que permitiram que hoje, um cidadão “médio” de um país capitalista tenha mais confortos do que um rei de 400 anos atrás, até um favelado come mais carne do que um cidadão mediano pré-revolução industrial.

      Apoiar o capitalismo não é odiar os pobres, pelo contrário, os maiores beneficiados dos avanços capitalistas são os pobres. Não é atoa que empresas multinacionais migram suas fábricas para países ditatoriais ou socialistas, pois nos seus próprios países mesmo os “pobres” não se sujeitam a trabalhar por tão pouco. Eu poderia escrever muito mais sobre o assunto, mas acabaria fugindo do foco e esse comentário já está muito maior do que eu pretendia.

      • Questões Relevantes
        05/17/2016

        JPaulo, obrigado pela excelente contribuição. Meu único senão é a interpretação da frase do Bruno “A busca por crescimento econômico infinito é inviável num país finito.” Penso que se refira mais à exploração desenfreada dos recursos naturais que à questão da busca da riqueza em si. Concordo que a busca por crescimento econômico é o que movimenta e cria desenvolvimento, mas também vejo que está na hora de começarmos a valorizar o consumo consciente, o que tornaria ainda mais saudável o capitalismo e as democracias liberais.

      • Marcus Vinicius
        01/18/2017

        O consumo consciente virá do esforço do indivíduo em se fazer consciente. Para isso as componentes, educação ( do lar ) e conhecimento ( via escolarização ) jogarão um papel importante. Saber raciocinar logicamente ( matematica ) e abstratamente são pre-requisitos essenciais. Tivemos governos de esquerda nos ultimos 20 anos praticamente. Como estamos de resultados de matematica? Será coincidencia?

      • Questões Relevantes
        01/18/2017

        Obrigado pela participação, Marcus.

  5. Dionea Vasconcellos
    05/14/2016

    Esse argumento não é válido. Até porque a questão do enriquecimento sempre é às custas de trabalhadores. O enriquecimento de poucos vai deixando para trás leva de pobres como o lixo que o enriquecimento de poucos vai produzindo ao longo de anos. O socialismo não quer dividir as riquezas por essa leva mas sim conduzir de outra forma a produção do trabalho para que a pobreza vá se reduzindo.

    • Questões Relevantes
      05/14/2016

      Dionea, você sabe como a riqueza é gerada? Sabe explicar porque os países socialistas mantêm boa parte da população em situação miserável?

      • Dionea Vasconcellos
        05/14/2016

        Temos todo um sistema internacional. É um sistema dentro do outro. A miséria vem de longos anos. Países explorados por centenas de anos. É uma mentalidade ainda primitiva que temos de fazer uma mudança. Os efeitos serão tb a longo prazo mas temos de fazer porque ficará insustentável para todos. Creio que o capitalismo, embora não sou entendido em economia, mas o capitalismo se engoliu a ele próprio, tornou-se selvagem. Não sou adepta do comunismo já que só pode haver comunismo, nesse nosso momento, através de ditadura e onde há ditadura está lá os seres humanos com todas as suas. Daí que nesses países o jogo permanece. Não tenho solução. Talvez daqui a mais uns 1000 anos. Mas temos de pensar nos primeiros passos. Até porque o próprio planeta está reclamando de ser também tão explorado. Assista o filme O abraço da Serpente e veja o que os civilizados fizeram com o.mundo com o seu pensamento baseado no dinheiro e na ciência e na religião Uma loucura!

      • Questões Relevantes
        05/14/2016

        Dionea, seu comentário percorre um caminho gravado com paixão por Eduado Galeano no inconsciente coletivo Latinoamericano. Talvez seja interessante ler este artigo: EDUARDO GALEANO, AS VEIAS E O CORAÇÃO ABERTOS.
        http://wp.me/p4alqY-dP

      • Francisco Fabio Paula Colares
        05/16/2016

        Paulo, você me surpreendeu, o sofisma de sua lógica é fantástico. Não esperava isto de você. Achava que era sincero, apenas baseado em conceitos errados. você argumentava. Neste você é que usou o fígado. Deve estar com alguma raiva. Não vou nem falar das suas afirmações, que é típico de quem fala da esquerda. Coisas tipo eles querem tudo de quem tem…e outras bobagens. Faço apenas uma proposta. Inverta a coisa. Distribua os U$ 477,94 com os famintos que na sua conta usou como quociente. Mas não faça de uma vez, pois provocaria uma hecatombe, o mundo ficaria sem alimentos, não teria nem para estes ricos que tinham o dinheiro. Faça em doze meses. Pense numa explosão de empregos que seriam gerados e vindo de baixo das regiões mais pobres. E seria rápido, pobre tem pressa, precisa de tudo. Paulo, aprenda de uma vez, o consumidor é quem cria o mercado. O mercado só produz se tiver consumidor. Um alerta: Mesmo assim teríamos de modificar o capitalismo, pois sem modificação, em pouco tempo a concentração de renda dele voltaria a ser acentuada. Teríamos de começar tudo de novo!

      • Questões Relevantes
        05/16/2016

        Francisco, a questão não é alguma melhora na renda ou redução das desigualdades, mas a maneira de atingí-las.

        As ideias defendidas nos artigos que celebraram a pesquisa da Oxfam vislumbram soluções que não resolveriam o problema e até o aumentaria, como já foi visto nas experiências do socialismo real. O fato de você ter um conceito particular de socialismo, diferente do que é reconhecido por quem milita na área ou mesmo pelo dicionário de política do qual já lhe enviei um link, não significa que eu ou o mundo devamos reconhecê-lo.

      • Francisco Fabio Paula Colares
        05/16/2016

        Só desqualificar não é argumento. Propus uma tese argumente para desconstrui-la.

      • Questões Relevantes
        05/16/2016

        Já fiz isto inúmeras vezes. Até já lhe enviei o dicionário para que você entenda e pare de chamar urubu de “meu lôro”.

      • Francisco Fabio Paula Colares
        05/16/2016

        Não Paulo, suas teses não se sustentam. Não sou eu que provo, é o mundo. Todos os organismos isentos confirmam que estamos caminhando para uma catástrofe. Você não quer ver. Quando contestei este seu artigo não é por ser inteligente, Eu vi o que o Bolsa Família fez no Brasil. É, seria uma espetacular Bolsa. Sei você vai falar do ajuste fiscal…fazer o que?

      • Questões Relevantes
        05/16/2016

        Francisco, Eu apoio o bolsa família. Defender a responsabilidade fiscal é justamente defender que as finanças não se desequilibrem e ameacem tais benefícios.

      • Francisco Fabio Paula Colares
        05/16/2016

        Paulo, eu me estarrecido de você não ficar estarrecido que 62 pessoas tenham tanto dinheiro que dê para propiciar um Bolsa Família durante um ano para 3,6 bilhões de pessoas. Isto é um acinte! Paulo você fala que defende o Bolsa Família e a responsabilidade fiscal. Então somos muito parecidos (quase iguais). Eu também defendo a responsabilidade fiscal. Seria burrice não defender. Mas você não quer entender que não está havendo irresponsabilidade fiscal. O que houve foi QUEDA NA ARRECADAÇÃO o que provocou o desequilíbrio. Dilma tentou, erradamente. com o Levy, que além da proposta errada não teve apoio do congresso. Paulo a inflação que estamos tendo não é de demanda (já foi em algum momento com a inflação de serviços pelo aumento da renda do assalariado, e, serviços não pode ser importado). Hoje não. Hoje é de custos. Então é contra censo aumentar juros. Paulo eu não defendo proibir o lucro. O que defendo é que IMPOSTO DE RENDA SEJA REALMENTE PROPORCIONAL A RENDA. E você sabe que não é o que acontece. São estas coisas que defendo com o SOCIALISMO que quero “chamar de meu”. Não Paulo, não é meu e nem me preocupo que seja. Ele começou sim, com Marx. A preocupação com o social. Daí a tese que proponho: O COLETIVO É PREVALENTE AO INDIVIDUAL Daí para frente é a prática que mostrará o caminho.

      • Questões Relevantes
        05/16/2016

        Não, Francisco Fabio Paula Colares, não é um acinte. Eles não roubaram este dinheiro, eles correram riscos, investiram em ideias e foram excelentes gestores. É verdade que os 50% mais pobres certamente são vítimas de circunstâncias e de governos ruins, mas entre os 50% mais pobres está quase toda a população da China, Cuba e Coreia do Norte. Está também a população da Venezuela. Estão os pobres do Brasil. Está uma parte importante da população da Índia. Sobre este último país, inclusive o convido para ler este artigo: O CAPITALISMO É REVOLUCIONÁRIO?
        http://wp.me/p4alqY-nB

  6. Davi Morgado
    05/14/2016

    Pois é, já fiz esse cálculo com o PIB do Brasil distribuído e não dá merda nenhuma pra cada um.

  7. Eduardo Eumim
    05/14/2016

    Comumente você escreve ótimos artigos, faz boas análises, raciocina com clareza e lógica e até “desmistifica”. Parabéns. Mais um bom artigo.

    • Questões Relevantes
      05/14/2016

      Obrigado pela massagem no ego.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: