o ridículo

Há uma turma que defende o governo do PT com a paixão de quem defende um time de futebol. Contra estes, não há argumento racional, não há fatos, não há nada. Puro transe, pura catarse. Seus argumentos são desconexos, baseados na mais típica teoria da conspiração.

Entre tais defensores podemos identificar muitos intelectuais e juristas que ocupam importantes cargos em universidades públicas e privadas, todos contribuindo dedicadamente para o rebaixamento do pensamento brasileiro.

Os mais nocivos são os que insistem em chamar o eventual impeachment de “golpe”.

Há um texto de autoria desconhecida (pelo menos por mim) que enumera o comportamento padrão da malta petista. O curioso é que diverge pouco dos argumentos utilizados pelos distintos alienados cultos.

Fase 1: Diz que não existe provas contra o PT.

Fase 2: Quando a prova é apresentada, diz que é ilícita e não pode ser utilizada.

Fase 3: Quando se demonstra a licitude da prova, dizem que quem a coletou e a legitimou não é isento.

Fase 4: Quando é punido, diz que o juiz não é isento (Moro). Quando isto ocorre no STF, a desculpa é que o tribunal cedeu à pressão da “mídia”.

Fase 5: Quando já não dá para negar a prova e o julgamento, apela para a bala de prata e pergunta: “e o Eduardo Cunha? E o Aécio? E o FHC? E o imperialismo estadunidense? E as capitanias hereditárias? ”

Fase 6: Depois que todas as falsas questões foram respondidas, depois que todos os argumentos foram derrubados, faz cara de superior e diz “vão estudar história”.

A coisa piora quando se reúnem em coletivos para assinar cartinhas contra o golpe, mesmo depois do STF dizer, com todas as letras, que impeachment não é golpe.

Convenhamos: há um momento em que apenas o senso de ridículo nos salva. Recomendo a estes doutos ignorantes que comecem a exercitar o deles. Aqueles que são pagos, como o pessoal da Carta Capital, Conversa Afiada, Brasil 247 e congêneres, eu entendo. Falam o que o patrão mandar. Agora, fazer isto de graça desafia a lógica mais comezinha.

Outra coisa importante. Esta minha indignação não é “coisa da direita”. Tenho amigos de esquerda que compartilham desta mesma opinião. Um deles, Lúcio Júnior Espírito Santo, me enviou o texto abaixo, de Luciano Andrade, que também observa o ridículo de quem insiste em defender o indefensável.

________________________

A falácia do golpe e o delírio dos ideólogos de esquerda.

Por Luciano Andrade.

Tenho visto gente inteligente, de classe média alta, com bons empregos, que tiveram a oportunidade de nascerem em boas famílias e estudarem nas melhores universidades públicas defenderem que existe um Golpe Branco em andamento no país para destituir um Governo de esquerda eleito democraticamente no pleito popular de forma direta. Não há nada de errado você ser rico e ser de esquerda, a sua classe social não deveria influenciar sua orientação política, mas o que me assusta é a falta de coerência na leitura dos fatos e na argumentação teórica em defesa do atual Governo.

Para que esteja em andamento um Golpe Branco, temos que partir do pressuposto que o Ministério Público Federal, a Polícia Federal, o Supremo Tribunal de Justiça e a mídia estão articulados entre si em torno de uma ideologia política para evitar a continuidade do Governo eleito e destruir o Partido dos Trabalhadores. Assumir que o MPF e a PF têm motivação política depende que esses órgãos, um deles o órgão com o poder moderador considerado o quarto poder, estejam alinhados com lideranças políticas de partidos rivais do atual Governo em algo que seria considerado até mais grave do que os esquemas do mensalão e do petrolão.

Os esquemas de corrupção que foram sistematicamente implantados no país e que possivelmente tiveram origem ainda na transição da antiga ditadura militar, foram instalados com um ideal de manutenção de poder visando gerar uma estabilidade política galgada na compra de apoio, seja por troca de dinheiro em espécie (caso dos esquemas “a la mensalão”), seja pela distribuição de cargos na máquina pública e a possibilidade de gerir grandes verbas para que os favorecidos pudessem eles mesmo cometer seus ilícitos e enriquecer seus partidos e seus aliados às custas do erário público como bem entendessem, resultando no fisiologismo que se tornou regra do presidencialismo de coalisão, uma prática corrente no país desde FHC, que resultou no petrolão e tantos outros impropérios cometidos por diversos partidos políticos desde então que estão vindo à tona nesse momento histórico pelo qual passa o país.

Parece ser um delírio lisérgico acreditar numa teoria da conspiração que envolve membros do MPF, do STJ, da PF em consonância com partidos de oposição ao governo e isso tudo alinhado com os veículos de comunicação e de tantos outros órgãos que estariam deliberadamente e de forma orquestrada perseguindo o atual Governo, simplesmente porque eles são contrários à uma ideologia de esquerda e querem combater os bastiões da resistência proletária que defendem as populações oprimidas pelos capitalistas gananciosos e corruptores dos agentes do Estado.

Primeiro, que os capitalistas gananciosos e corruptores foram aqueles que se uniram ao atual Governo para lesar o Estado e financiar o partido que se diz defensor do proletariado mas que aceitou de bom grado o dinheiro dos oligarcas que só estão onde estão com o apoio de gerações de políticos que desde a década de 1950 estão instalados em Brasília como se sua de direito fossem as cadeiras do Legislativo e do Executivo, já que o povo em voto de cabresto não consegue mudar as lideranças e somos sempre vítimas dos mesmos sobrenomes há décadas. Como defensor do proletariado, o atual Governo só fez agredir as populações trabalhadoras com uma política econômica desastrosa que aumentou a dívida pública a ponto de causar inflação descontrolada, desemprego, aumento de impostos, desinvestimentos nos programas sociais essenciais, recessão e quiçá depressão nos próximos dois anos. Isso sem mencionar os inúmeros crimes cometidos em conjunto com outros partidos políticos.

Uma articulação do Poder Judiciário, do MPF e da Polícia Federal alinhados com um grupo político oposto ao atual Governo e ainda por cima em conluio com a famigerada “mídia golpista incendiária” é algo tão ridículo e impensável que só me faz ter pena em quem acredita ou brada que isso seja uma possibilidade real e mostra um profundo desconhecimento de como operam os poderes no Brasil e como o Estado de direito está constituído e consolidado no país. Não existe nenhum tipo de possiblidade de atores do Legislativo e do Executivo ou da mídia, independentemente de partido político conseguirem ter influência alguma sobre o funcionamento do MPF, do STJ e da PF ao mesmo tempo, muito menos articular lideranças dessas instituições em torno de uma “caça aos vermelhos” no melhor estilo da Guerra Fria com o apoio irrestrito da mídia de massa que filtraria as notícias para desfavorecer o grupo político que está no poder. Nem em filme do James Bond eu consigo ver o “vilão do mal” por trás de um esquema tão grandioso e nefasto que poderia se instalar no seio do Estado Brasileiro com o único intuito de destruir o partido do Governo.

A percepção de que a mídia “blinda” um determinado grupo político ou outro, existe porque eles têm o termômetro da opinião pública. A mídia está falida, precisa voltar a encontrar fonte de receita. Eles publicam aquilo que vai chamar a atenção, dar IBOPE como se dizia antigamente, mas atualmente as métricas são os “pageviews”, “clicks”, “likes” e “shares”. Quando mais gente vendo, clicando, compartilhando e postando, melhor. Mais chance eles têm de exibir as propagandas de seus patrocinadores, mais receita publicitária eles recebem. A mídia não está interessada em derrubar o Governo, eles estão interessados em tráfego e venda de impressos, essa crise toda é um prato cheio para manter jornais e revistas vendendo, tanto nas bancas como na Internet. A mídia publica o que for mais vantajoso para eles, pouco importa se é verdade ou mentira, compromisso com a notícia e a isenção do fato jornalístico em idos de 2016 já não existem mais. Temos que ser céticos e não acreditar nos teóricos da conspiração que mal sabem as motivações reais de um grupo ou de outro. Os grupos de mídia não estão alinhados com a ideologia política de partido algum, o que eles não querem criar é uma sensação de discordância com aqueles que pagam suas contas e acabar perdendo fonte de receita. Bater no PSDB afasta o consumidor de classe média que tem dinheiro para gastar com a assinatura do jornal e da revista online, que tem tablet e smartphone e que bate panela nos discursos do Governo, não é legal perder assinantes, simples assim. A mídia vende conteúdo para um público específico, eles mostram apenas o que eles querem ver porque as pessoas não têm senso crítico para tratar das complexidades do ambiente político e votam como se torcessem para times de futebol.

No caso do Petrolão, são seis as legendas envolvidas diretamente nos esquemas de corrupção e outros tantos parlamentares que agiram de forma independente estão sob investigação. Esses partidos se uniram para lesar o erário público com o interesse de financiar suas campanhas políticas e de quebra obter enriquecimento ilícito. Não foi um ou outro partido, quase toda a base do Governo, PT, PMDB, PP, PTB, PSB e PSDB estão envolvidos. Não há inocentes. Todas essas legendas se uniram deliberadamente para cometerem delitos que resultou no desvio de verbas para os caixas dos respectivos partidos e para os bolsos de seus correligionários. Isso sim foi uma conspiração contra a ordem pública e um ato que fere o seio de nossa democracia.

Não existe tentativa de golpe, não existe nenhum tipo de conluio, conchavo ou arranjo entre estruturas de Estado para derrubar o Governo. Esse Governo foi quem permitiu o aparelhamento das empresas estatais e fez vistas grossas para o que acontecia debaixo de seu nariz porque havia favorecimento político e financeiro envolvido. Golpe foi o estelionato eleitoral que foi a campanha de Dilma (que nem Deus consegue descobrir como foi financiada pelo andar da carruagem), tal campanha baseada em um sem número de mentiras e manipulações, mostrando uma presidente que na frente da câmera em um estúdio, com um discurso ensaiado, decorado e exibido em um teleprompt, parece coerente e eloquente, mas que em 5 minutos de palanque em discurso aberto revela sua verdadeira personalidade confusa, contraditória e ignorante, em demonstrações às vezes que beiram o ridículo e que envergonham aqueles que tem algum apreço pela imagem do próprio país. Dilma mentiu descaradamente dizendo que teria medidas para colocar o país no rumo e depois de mais de um ano de (des)governo, só fez afundar o Brasil e terminar de arrebentar com as já combalidas contas públicas. Se ela estiver envolvida em irregularidades em financiamento de campanha com dinheiro ilícito, que seja instalado o processo de impeachment e que ela seja destituída como foi Collor.

Se vocês não perceberam, Lula agora é elite, com tríplex no Guarujá, chácara nababesca com lago e pedalinhos com nomes dos netos em Atibaia, que anda de jatinho emprestado dos empresários que um dia ele acusava de explorar seus “companheiros” e ganha milhões para dar palestras em países estrangeiros para fazer lobby das “campeãs nacionais” que usam empréstimos a juros subsidiados do BNDES (que obtém caixa no Fundo de Amparo ao Trabalhador, dinheiro do nosso FGTS) para obter lucro nas obras em países onde os olhos da opinião pública estão bem longe. Lula não é mais homem do povo, ele se tornou a epítome daquilo que toda a vida ele disse que queria distância, do homem rico, com poder que se diz acima do bem e do mal.

O que esse Governo quer que você pense, é que eles são os coitadinhos perseguidos pelas “elites” que querem um projeto de país onde os proletários continuem sendo explorados e os ricos oligarcas de sempre continuem onde estão, no topo da cadeia mandando em tudo, mas na verdade o que esse Governo promoveu foi exatamente o que eles diziam combater.

Fica a dica para acreditar pouco no que você lê e se ater aos fatos e à realidade. Ninguém fica rico nesse país com salário de funcionário público, por maior que seja. Nenhum empresário dá dinheiro para ninguém à título de caridade, você precisa dar algo em troca para ganhar alguma coisa e essa coisa tem que valer mais do que o dinheiro investido, essa é a regra do capitalismo. Para depositar R$ 3 milhões na conta de alguém, de Lula de FHC ou da Dona Benta, algo tem que acontecer para que esse dinheiro tenha retorno do investimento. Assim que a justiça der o exemplo que ninguém no Brasil está acima da Lei, nem o homem mais popular (e populista) desse país poderá escapar de ser punido pelas suas mutretas e falcatruas em nome do dinheiro fácil para ele e seus familiares que se tornaram milionários de forma quase milagrosa. Isso sendo resolvido, espero que todos os outros tenham suas devidas punições e o discurso monocórdico da mídia se volte para a nova bola da vez em busca da atenção que lhe beneficia financeiramente.

Seja cético, não acredite em político e muito menos em teóricos da conspiração. O momento exige atenção, clareza de pensamento e reflexão. Indignação, raiva e ódio são combustíveis para o desastre e impedem o diálogo que trará as soluções corretas para a estagnação política e econômica nas quais o Brasil está mergulhado. Sejamos críticos e façamos nosso papel de conscientizar, dialogar e mostrar o fato.

Link para o artigo original: http://www.publikador.com/politica/luciano-andrade/a-falacia-do-golpe-e-o-delirio-dos-ideologos-de-esquerda

 

 

 

Anúncios