questões relevantes

espaço para debate de ideias sobre a cultura e a civilização

A MORTE DE UM TORTURADOR E A ESTUPIDEZ AMBIDESTRA.

Aroeira - O Dia Online

Morreu esta semana o torturador e coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra. Não há dúvida:  foi um dos maiores carrascos do regime militar que se instalou no Brasil em 64.

É notícia? Evidentemente. Merece matérias? Claro. Merece críticas? Sem dúvida.

Mas que tipo de matéria deve ser publicada?

Resposta: de um tipo que não seja preguiçosa e parcial. É o básico do bom jornalismo.

Mas o que vimos foi o contrário. Com pequenas variações, diversas matérias parecem ter sido elaboradas a partir de um mesmo press-release.

A primeira que li e me chamou a atenção é de Wellington Ramalhoso para o portal UOL e tinha o seguinte título:

O que leva alguém a chamar de “herói” um acusado de tortura?

Em uma resposta, de bate-pronto, pensei: “o mesmo que leva pessoas a cultivarem ídolos como Chê Guevara, Fidel, Mao Tse-Tung, Stalin, Lenin e outros assassinos em massa do século XX. A estupidez é ambidestra”.

Li esta e outras matérias e descobri que, como sempre, apenas as torturas e mortes praticadas pelos militares são lembradas. Os militantes de grupos guerrilheiros, que também desejavam implantar uma ditadura, mas de esquerda, que também mataram em nome da causa, são tratados como combatentes pela democracia. É esta a encruzilhada a que chegam todos que trocam princípios éticos por ideologia.

É o caso de Mário Magalães que publicou um artigo intitulado

Morte de Ustra, comandante de campo de concentração, consagra impunidade.

Em essência, segue o mesmo roteiro de outro artigo que escreveu chamado “O SILÊNCIO CÚMPLICE ACEITA A BARBÁRIE” do qual fiz uma crítica que serve como uma luva também aqui. É triste constatar que continua preso a um cercadinho ideológico bem estreito.

Outro que bate nas mesmas teclas, demonstrando que andaram copiando o mesmo press-release, é Leonardo Sakamoto, também no UOL, com o artigo

Coronel Ustra e outros carniceiros de gente que morreram felizes por aqui.

Até o jornal O Globo publicou um artigo não assinado, logo da editoria, com basicamente o mesmo conteúdo:

Ustra, ‘carniceiro’ para a esquerda e ‘herói’ para militares.

Alguém que tortura e mata pessoas em custódia do estado é um criminoso. Não tenho dúvida disso. Mas, para mim, isto independe de suas preferências políticas, de suas afinidades à direita ou à esquerda.

Observe: as mesmas pessoas acima que lamentam a impunidade dos criminosos do regime militar brasileiro silenciam diante dos manifestantes abatidos a tiros de fuzil na Venezuela de Maduro.

Silenciam diante dos presos políticos em Cuba.

Silenciaram diante da conivência do governo brasileiro com a perseguição do Governo de Evo Morales, na Bolívia, ao senador e líder da oposição Roger Pinto Molina, que ficou quase 2 anos confinado na embaixada brasileira aguardando o salvo-conduto que deveria ser imediato. Ele só deixou o “cárcere” através de uma fuga espetacular conduzida pelo diplomata brasileiro Eduardo Saboia, que depois disso foi colocado no ostracismo.

A própria “Comissão da Verdade” levou esta postura ao paroxismo ao se negar a investigar os crimes cometidos pela esquerda e tentar reescrever a História.

Aparentemente, para estas pessoas, ser de esquerda, agir em nome da esquerda, lava os pecados e justifica todos os crimes, da corrupção a assassinatos.

A experiência já mostrou que este é um caminho certo para o desastre.

Artigo de Paulo Falcão.

Anúncios

15 comentários em “A MORTE DE UM TORTURADOR E A ESTUPIDEZ AMBIDESTRA.

  1. Paulo; a esquerda que pegou em armas foi dizimada e parte da esquerda pacífica também foi exilada, presa e torturada.

    A esquerda que permaneceu era uma esquerda em boa parte trotsquista que, durante a ditadura militar, tinha feito sido apenas “revolucionária de porta de livraria” e municiando jornais e universidades com artigos com pose de esquerda, mas na prática eram anticomunistas.

    Não ocorreram crimes dos dois lados, pois se eu me levanto contra um governo ilegítimo, se eu combato contra quem rasga a Constituição, mesmo em armas, não estou cometendo um crime e sim defendendo meus direitos de cidadão.
    As leis da ditadura não permitiam a tortura e por isso Ustra, mesmo pelas leis autoritárias, foi um criminoso.

    Abs!

    • Questões Relevantes
      10/19/2015

      Lúcio, concordo com a questão do Ustra ser um criminoso e deixo isto claro no artigo. Mas muitos dos que foram para a luta armada cometeram crimes, sim. Aliás, há diversas entrevistas de pessoas que estiveram em organizações de esquerda naquela época reconhecendo que lutavam pela ditadura do proletariado e que crimes foram cometidos. No artigo O PT ENTRE A NOSTALGIA E A “MEA-CULPA” http://wp.me/p4alqY-je o professor Cícero Araújo, claramente de esquerda e petista de longa data reconhece o papel parcial e deprimente da “Comissão da Verdade”.

      Penso que a virtude está em dizer tudo, em chamar as coisas pelo nome que têm.

  2. Antônio Borges
    10/17/2015

    Tem gente que se faz de democrático, de libertário, mas sonha secretamente com o totalitarismo. Alguns, nem tão secretamente, como Mauro Iasi (PCB) que já foi candidato à presidência do Brasil na eleição do ano passado pelo PCB, partido filiado ao Foro de S. Paulo, e já foi candidato a vice-governador de São Paulo. Não é um participante inexpressivo pinçado no meio de uma manifestação, como a imprensa faz com qualquer lunático em atos contra o PT. É PhD em História pela USP e de 2011 a 2013 foi o presidente da Associação dos Docentes da UFRJ.

    Assista o vídeo abaixo e me diga: é ou não é incitação ao ódio? É ou não é um discurso carcomido por traças do século XIX?

    Esta é nossa esquerda: gente classe média, com emprego público e platéia para defender paredões e assassinatos como seus ídolos fizeram ao longo da história.
    O planejamento socialista funciona apenas para a classe de onde saem os planejadores, que podem se assegurar de que seus interesses pessoais sejam atendidos. É por esse motivo que o socialismo é um fenômeno da classe média, e não da classe operária. Trata-se, ao contrário da propaganda de libertação do proletário, um programa de radicais de classe média que imaginam representar a classe operária. Operários de verdade, aqueles que trabalham, querem mesmo é se integrar à sociedade de consumo “burguesa”, ter bons empregos, ver a novela depois do trabalho nas suas TVs de 50 polegadas e tomar sua cerveja nos fds, ter boa vida. Não lhes passa pela cabeça coisas de “socializar os meios de produção” e “igualdade social”.

    • Questões Relevantes
      10/17/2015

      Boa contribuição. Obrigado.

    • Mauro Iasi é moderado. Isso foi apenas bravata, como o tal exército fake de Stédile, na verdade, ele estava colocando-se a serviço de um político corrupto burguês que manobra à esquerda, Lula. Enquanto alguém de direita estiver combatendo com ideias, por exemplo, a corrupção, evidente que é preciso dialogar com essa pessoa. Iasi já foi denunciado como autoritário por um militante que afirmou, sem citar seu nome (mas foi possível ler no print) que Iasi dizia que ele não devia “escrever notas para analfabetos”.
      O PCB tem, sim, sido acusado de racista e autoritário.
      http://revistacidadesol.blogspot.com.br/2015/01/nota-contra-o-racismo-e-o-autoritarismo.html

      Para vcs, um vídeo sobre…a revolução coreana, apoiada por um prf universitário brasileiro:

      Deliciem-se.

      • Questões Relevantes
        10/18/2015

        Lúcio, não sei se ele é moderado, mas sei que estas ideias são fosseis do século XIX e falam de um capitalismo que já não existe.

        O ódio que Iasi fomenta é anacrônico e inconsequente.

      • Questões Relevantes
        10/18/2015

        Instrutivo o vídeo e realmente tem momentos divertidos, como quando Paulo Visentini tenta “relativizar” o autoritarismo norte-coreano na questão do direito das pessoas saírem do país, ou o humor-negro involuntário quando relativiza a morte de 200 mil pessoas por fome diante da decisão de alimentar o exército e não a população. As informações sobre uma casta privilegiada não chegam a surpreender, a não ser pela naturalidade com que ele trata o assunto.

        Obrigado. Continuamos vendo com olhos muito diferentes a realidade que se nos apresenta.

  3. Eu não faço pose de democrata burguês e de liberal, realmente, mas sim, sou um democrata radical, digamos assim.

    Não ocorrerram assassinatos em massa, mas a burguesia foi punida e os trabalhadores estiveram no poder. Isso é que vcs não aceitam de jeito nenhum.

    Não creio que o socialismo foi construído em Cuba, apenas pouco ou nada. Creio que é, na prática, algo como um varguismo que utiliza retórica marxista. No entanto, os avanços democráticos são inegáveis.

    Claro que há problemas, mas em todos esses casos houve a instalação de um regime melhor do que o anterior: Cuba, China, Cambodja, etc. Na melhor das hipóteses, o país recobrou sua soberania nacional.

    E te digo mais: mesmo Pol Pot tem lá suas qualidades. Lutou contra a dominação francesa, venceu os americanos, lutou contra a invasão vietnamita. Enquanto governou, apenas quatro anos, não havia essa unanimidade contrária –até o rei Sihanouk era seu aliado. A experiência de abolição do dinheiro foi muito debatida como um avanço, uma experiência social importante e até hoje tematizada pelo utópicos.

    Abs!

    • Questões Relevantes
      10/17/2015

      Lúcio, no seu dicionário as palavras têm um sentido diferente dos dicionários que conheço. Quando cada um atribui o sentido que deseja às palavras que usa, entramos no campo da retórica, dos discursos, mas abandonamos a possibilidade de comunicação, de entendimento. Me debato com esta questão desde os primeiros artigos do blog.

  4. PAULO AVANCINI PEIXOTO
    10/17/2015

    Ex-chefe do DOI-CODI do II Exército, órgão que detinha terroristas comunistas durante o Regime Militar. Foi acusado de torturador pela Comissão da “Verdade”.
    …………………………………………………………………….
    Sim, ele dava chicotadas naqueles marginais. Alguns poucos morreram. Mas a grande maioria desses terroristas que deviam estar presos até hoje, estão no poder graças à ignorância do eleitor brasileiro.
    …………………………………………………………………………..
    Os marginais que foram presos pelo DOI-CODI fazem hoje o goveno mais corrupto e indecente nunca antes visto na história do Brasil.
    …………………………………………………………………………
    Vá em paz, Coronel. O Sr. fez a sua parte patriótica pelo Brasil.

    • Questões Relevantes
      10/17/2015

      Sua resposta dá ainda mais materialidade ao título do artigo.

  5. Nossa, Paulo, vc se superou hein?
    O que a esquerda fez durante o regime militar foi extensamente julgado e punido durante o regime militar. Não havia legitimidade, o próprio regime era ilegítimo. O regime, é bom te lembrar, foi quem começou o uso do termo ideologia no sentido em q vc usa, como o contrário de ciência e sinônimo de esquerda.

    Claro que se lutou por ditadura do proletariado, por uma democracia mais evoluída, democracia popular e socialista. Houve também quem lutou pela libertaçaõ nacional. Alguém ia morrer pela volta do poder de Adhemar de Barros?

    O regime exigia atestado de bons antecedentes ideológicos.

    O tal senador boliviano estava fugindo de denúncias de corrupção quando fugiu.

    De bate e pronto, todos esses que vc mencionou salvaram vidas e fizeram um mundo melhor.

    Che e Fidel derrubaram uma ditadura , assim como Mao tirou seu país da opressão japonesa. Stálin e o partido salvaram milhoes de europeus, assim como praticamente todo o povo judeu, pois derrotou Hitler. Em grande parte, o esforço de guerra contra ele foi soviético.

    Não existe tortura ou desaparecidos em Cuba. Todos os presos são julgados conforme as leis vigentes. E há atentados violentos dos opositores ao regime em Cuba.

    Lenin e o partido pararam uma guerra odiosa, a I Guerra. Ele salvou milhões de vida pelo mundo afora.

    • Questões Relevantes
      10/16/2015

      Lúcio, gosto de suas participações. São diretas e francas. Seu posicionamento ideológico é oposto ao meu, mas nenhum de nós tenta disfarçar o que pensa.
      Esta honestidade já e um excelente começo.
      De certa maneira, muito do que você apresenta como argumento tem o efeito de corroborar o que o artigo afirma.

      Mas alguns pontos merecem esclarecimentos.
      Não uso o termo “ideologia” como sinônimo de esquerda. Eu tenho ideologia e certamente não é de esquerda. O que afirmo é que quando a ideologia substitui princípios éticos entra-se em um terreno desastroso. Desenvolvi este tema no artigo OS PROGRESSISTAS, O PARADOXO E OS TEMPOS DE PAZ. http://wp.me/p4alqY-iM

      Quanto à sua tese de que a esquerda já foi punida durante a ditadura militar, não é verdade. Alguns militantes o foram, não “a esquerda” que continuou ativa nas universidades, nos jornais, nas editoras, nas artes. Mas a minha questão não é o desejo de punir quem quer que seja, mas de chamar as coisas pelo nome que têm, de lembrar que era uma guerra, desigual, mas ainda assim uma guerra, com crimes cometidos pelos dois lados. Lembrar disso é necessário para não se construir uma realidade paralela e grotescamente tendenciosa.

      Quanto à sua defesa dos líderes e governos socialistas, a despeito de utilizar fatos reais e conhecidos como justificativa, a grande crítica que se faz a estes regimes não é a produção de mortos em guerras contra outros países, mas a produção de mortos “educativos” em escala industrial entre a própria população que diz representar.

      Por último, a acusação contra Roger Molina é falsa e apenas um pretexto para afastar um adversário político importante. É a página 2 do manual dos populistas de esquerda e de direita.

    • Celso Junior
      10/16/2015

      Não entendo como alguém em sã consciência consegue defender a morte de milhares de pessoas INOCENTES e ainda diz, com desfaçatez tremenda, que “as nossas mortes são melhores do que as dos outros”, em síntese. Chega até um arrepio percorrer a espinha ao ver a frase, dentre tantas: “Não existe tortura ou desaparecidos em Cuba. Todos os presos são julgados conforme as leis vigentes.”
      Leis vigentes? Assassinar opositores é uma “lei vigente”? Não existiu desaparecidos em Cuba? Para o mundo que eu quero descer. Nem vou comentar sobre as outras atrocidades que li em seu texto ridículo e boçal, o fato é que eu quero estar em outra calçada quando o senhor (ou senhora, ou senhorX) passar. E saio deixando aqui um simples relato (dentre tantos) E DE UMA PÁGINA ESQUERDITA:
      http://ipco.org.br/ipco/noticias/che-guevara-assassinou-menino

      • Questões Relevantes
        10/16/2015

        Celso, como deixo claro, discordo totalmente do Lúcio, mas reconheço nele a qualidade moral de não fazer jogo de cena, de não fazer pose de democrata.

        Obrigado pela contribuição. Mas uma correção precisa ser feita: o link que você deixou não é de uma página “esquerdita”, como disse, mas da TFP – que pode ser acusada de muitas coisas, mas de ser de esquerda certamente não.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 10/16/2015 por em Uncategorized e marcado , , , , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: