questões relevantes

espaço para debate de ideias sobre a cultura e a civilização

LULA, DILMA E O XADREZ POLÍTICO DO IMPEACHMENT.

xadrez-politica

Esqueça os radicais de ambos os lados. Esqueça ódios. Vamos analisar o jogo político como ele se apresenta.
Há razões para um impeachment de Dilma hoje?
Temos opiniões respeitáveis dizendo que sim e que não. A lei é interpretativa e sua aplicação eminentemente política. O Art. 85. da constituição de 1988 define:
São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente, contra:

I – a existência da União;

II – o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação;

III – o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais;

IV – a segurança interna do País;

V – a probidade na administração;

VI – a lei orçamentária;

VII – o cumprimento das leis e das decisões judiciais.
Há quem já veja na crise política e econômica riscos para a segurança interna do País.

Há quem veja na apresentação do orçamento de 2016, com um rombo de 30 bilhões, desrespeito à lei orçamentária.

Isto para ficarmos em dois tópicos alheios às acusações de corrupção, extorsões eleitorais etc. Os dois tópicos acima são reais, concretos e interpretativos.

A discussão não é simples, mas não são as interpretações legais que impedem que a discussão do impeachment avance neste momento. O que leva os políticos a serem vagos neste assunto são alguns cálculos políticos.

Veja como está o jogo.

Tirar Dilma agora transfere o ônus do ajuste para o PMDB e seus eventuais novos aliados e dá a Lula o palanque do oposicionista injustiçado e salvador da pátria. Ninguém tem dúvida deste desdobramento. Há poucas variáveis que impediriam isto.

Por outro lado, há o risco de que quem assuma arrume a casa e chegue nas próximas eleições fortalecido, mas isto é muito difícil de prever. O mais provável é uma gestão desgastante e resultados medíocres.

Logo, diante do medo de dar palanque para o Lula, a estratégia da oposição, por enquanto, é ameaçar, bufar, mas não soprar muito forte e deixar a Dilma e o PT se desgastarem em praça pública. Isto só mudaria se aparecesse algo forte contra o Lula na Lava Jato.

O próprio PT, em conversas privadas, considera Dilma um desastre e sua permanência um peso que esmagará o partido nas próximas eleições. A situação é tão grave que Lula tem buscado uma forma de apoiar Dilma e ser oposição a ela simultaneamente.

O Brasil está mergulhado em um perigoso e preocupante mar de problemas reais, com inflação alta, pressões inflacionárias via indexação de preços, alta do dólar e dos preços administrados, queda da atividade econômica, desemprego crescente, arrecadação decrescente e uma presidente politicamente fraca e administrativamente confusa.

Em minha opinião, o melhor para o País seria Dilma fazer um “mea culpa”, pedir desculpas e renunciar. Assumiria Michel Temer, um político hábil. Não haveria comoção, não haveria gritaria, não haveria pretexto para as tropas de choque do PT como CUT, MST e MTST infernizarem os brasileiros (o impeachment daria este pretexto, mas não teria grande apoio da população e isto esvaziaria rapidamente a agitação).

Se Temer desse logo de cara plenos poderes para Joaquim Levy ou outro nome respeitado pelo chamado “mercado” e bancasse o ajuste preservando os projetos sociais (mas sem aumentá-los por um tempo) é provável que o dólar recuasse, que muitos investimentos saíssem da gaveta e que o país destravasse – afinal, tudo que o “mercado” espera é que o mercado funcione, e para que o mercado funcione, é preciso regras claras e compromisso com a responsabilidade fiscal.

Não tenho bola de cristal não, mas este é um cenário lógico.

É claro que é a saída menos provável porque, apesar de ser a melhor para os brasileiros, não é a melhor para os políticos que disputam este jogo.

Hoje, o mais provável é Dilma continuar nos assombrando como sua progressiva loucura.

Anúncios

17 comentários em “LULA, DILMA E O XADREZ POLÍTICO DO IMPEACHMENT.

  1. Luciano
    10/04/2015

    O Eduardo Giannetti certamente concorda com você. Olha só o que ele disse:
    “Eu confesso que, às vezes, tenho um arrepio de alívio pelo fato de a oposição não ter vencido aquela eleição. Iria ser muito difícil explicar para a população brasileira que o que está acontecendo não tinha começado com o novo governo. Foi mantida artificialmente uma situação ilusória, mas a realidade se impôs e coincidiria com o início de um novo governo. Acho que há uma certa justiça no fato de que quem provocou, agora, assuma a responsabilidade de lidar.”

    • Questões Relevantes
      10/04/2015

      Do ponto de vista de deixar às claras a culpa do PT neste desastre, não há dúvida que foi melhor assim. Mas como eles não aprendem nada, vamos ver esta crise se agravar.

  2. Afonso Pelegrino
    09/27/2015

    Lula é realmente um nome forte na hipótese de disputar a eleição de 2018.

    Apesar do desgaste do PT com a continuidade do governo Dilma, ele já demonstrou ter uma inteligência política ímpar.

    Não confunda esta opinião com apoio. Trata-se mais de um aviso: não subestimem o adversário. Veja este vídeo. O homem é muito articulado:
    “O vídeo que LULA quer de todas as formas apagar da web”

    • Questões Relevantes
      09/27/2015

      Obrigado pela contribuição.

  3. Dilma continuará e Lula voltará em 2018, Paulo.

    • Questões Relevantes
      09/24/2015

      Se Dilma continuar, dificilmente o Lula volta. O desgaste será monstruoso.

      • Ah, volta Paulo. A burguesia e´que tem que querer, não vc. vc está fazendo o jogo da esquerda. Veja essa análise do MNN, irretocável:

        A classe trabalhadora precisa pensar com a mesma lógica, a lógica da luta de classes, e não se iludir com os falsários que falam, tanto e tanto, há anos, em seu nome, alimentando ilusões no parlamento burguês ou em reformas dentro da ordem do capital. A classe trabalhadora precisa exercer a sua política verdadeira, que é a resistência à extração cotidiana de mais-valia pelo capital. Mas para essa resistência e para essa política verdadeira, sem dúvida, é um fator muito positivo a saída do PT do poder. O PT, queira-se ou não, é o principal partido, para a burguesia, nessa verdadeira política, pois é o partido mais bem qualificado e preparado para manter a classe trabalhadora controlada e impotente diante do roubo cotidiano que o capital faz de sua vida. Se a burguesia tiver de afastar o PT do poder, é porque a situação chegou em um grau insustentável para sua dominação. O PT é o fiel da balança para a manutenção da ordem burguesa atual e, caso caia, será acelerada a queda de um bloqueio histórico à luta da classe trabalhadora, um bloqueio que há décadas impediu e impede a criação de uma alternativa revolucionária. Basta lembrar que há 35 anos a maioria da esquerda dita revolucionária entrou no PT em busca de um suposto atalho de construção, e saiu desse partido igual ou mais fraca do que entrou. O PT, com seu programa reformista e parlamentar, bloqueou por décadas e ainda bloqueia a esquerda e a classe trabalhadora. O afastamento do PT da presidência (mesmo que signifique sua manutenção na estrutura do governo) significa quebrar em grande medida o financiamento de sua base sindical e burocrática comprada, que se alimenta do Estado e age para paralisar a classe trabalhadora. Diminuir as verbas para as burocracias compradas é uma forma de enfraquecê-las materialmente. Enfraquecê-las tende a favorecer seu atropelo pelas lutas da classe trabalhadora que certamente virão.

        Assim, se a saída de Dilma do governo não é ainda algo estratégico (no sentido da sua derrubada pelo poder autônomo e organizado da classe trabalhadora), é sem dúvida algo tático muito importante. A saída do PT do governo, ao favorecer a luta autônoma da classe trabalhadora, é hoje uma tática para acelerar o reagrupamento da esquerda revolucionária em torno de um novo projeto, ou melhor, em torno do velho projeto marxista da dualidade de poder.

      • Questões Relevantes
        09/24/2015

        Lúcio, obrigado pela contribuição.

        De qualquer modo, não faço jogos, apenas análises.

        O próprio PT já criticou publicamente os ajustes anunciados por Levy e, em privado, reclama abertamente da incompetência administrativa e política de Dilma.

        Se ela continua, continua fazendo o PT e lula sangrarem em praça pública.

        Quanto aos sonhos revolucionários seus e do MNN*, tenho certeza que não encontram eco na população, mesmo entre os mais humildes. O risco maior está justamente nas táticas de implosão do estado democrático, como já discutimos antes quando falamos da Venezuela.

        *(MNN – Movimento Negação da Negação, ligado ao Partido da Causa Operária – PCO).

  4. Sérgio
    09/23/2015

    Penso que os defeitos de Dilma que nos conduziram ao desastre atual são os mesmos que a impedem de fazer qualquer mea culpa e reconhecer-se como parte do problema e não da solução, notadamente a arrogância e a fidelidade ao lulopetismo.

  5. Daniel Azevedo
    09/23/2015

    Com medo do golpe, Dilma tenta se equilibrar em uma corda sustentada por opiniões de inimigos, que fazem-na engolir o programa derrotado nas eleições presidenciais 2014… Se houver o impeachment, Lula Ganha em 2018, pois o PMDB do bom Michel, não terá apoio daqueles que pretendem lançar candidato nas próximas eleições presidenciais, Se Dilma chegar ao fim de seu governo, idem, concluindo, os interesses não são por uma grande nação com distribuição de renda e bons índices, são pessoais e multinacionais como sempre foi.

    • Questões Relevantes
      09/23/2015

      Daniel, aparentemente você é da turma do pensamento mágico, que imagina que tudo é uma questão de “vontade política”. Não é.

      Se tiver tempo, leia estes três artigos: IDEOLOGIA NÃO PAGA AS CONTAS http://wp.me/p4alqY-hn

      A IGNORÂNCIA NÃO É UMA BENÇÃO. http://wp.me/p4alqY-f9

      A GRÉCIA, A MATEMÁTICA E O DESTINO INELUTÁVEL. http://wp.me/p4alqY-f6

  6. Aparecido
    09/23/2015

    ______________________________________________________________
    Com licença!
    Creio que Dilma fazer um mea culpa e renunciar, ainda dentro do contexto que Marta cita, seria tudo o que Lula e o PT querem no momento, isto é, Dilma sai e
    carrega consigo todas “Culpas”, isentando os demais atores desse teatro que é
    a governança esquerdopata. Assim, oposição, povo e os movimentos contrários
    ao status atual “aliviados” e felizes seriam massa de manobra mais dócil as aspirações do PT e Lula para 2018.

    • Questões Relevantes
      09/23/2015

      Aparecido, o artigo comenta o risco Lula em caso da saída de Dilma. Mas do ponto de vista da população mais vulnerável à crise, Dilma terminar o mandato é muito pior do que sair já. Com Dilma a economia vai se deteriorar cada vez mais por conta da falta de credibilidade e das diretrizes erráticas de sua condução da crise.

  7. Orlando Uliano
    09/22/2015

    não se renuncia nunca, à capacidade de condução do processo. Temos de ter a capacidade de aprender com os erros, e agregar forças.

    • Questões Relevantes
      09/22/2015

      Orlando, se há uma coisa que a experiência já provou é que a Dilma e algumas lideranças do PT têm muita dificuldade em aprender com os erros.

  8. Marta
    09/22/2015

    Boa análise, principalmente sobre esta guerra pelo poder em que cada parte se preocupa com suas vantagens e desvantagens e ninguém se preocupa com o país.

    • Questões Relevantes
      09/22/2015

      É isto, Marta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: