Ditadura-democracia-Dilma

Certos fatos são esclarecedores. O episódio envolvendo a tumultuada visita de senadores brasileiros à Venezuela é certamente um deles. Há no episódio revelações didáticas sobre a Venezuela não ser uma democracia, sobre o alinhamento acéfalo (mas bem remunerado) de alguns blogs e revistas com a biruta do PT, sobre o impacto das influências ideológicas nas decisões políticas e o esclarecimento, para além de qualquer dúvida razoável, de que a democracia para o PT e a esquerda é um meio, não um fim.

Vamos ao primeiro e mais óbvio: a Venezuela não é uma democracia. Afirmo isto desde os tempos de Hugo Chávez quando reuni um bom material comprobatório em um artigo que pode ser lido aqui. Mas Lula dizia que por lá havia democracia até demais. Petistas de alto coturno repetiam o mesmo com outras palavras. Dilma e os lobos da esquerda mantiveram-se ao lado do governo venezuelano mesmo quando começaram a prender opositores e a assassinar pessoas em manifestações políticas pacíficas. Já são 40 mortos.

Por conta de escolhas ideológicas, por conta do sonho de um socialismo do século XXI, a Venezuela, riquíssima em petróleo, está quebrada, a população enfrenta filas para comprar de comida a papel higiênico, de eletrodomésticos a medicamentos. A inflação disparou. Há congelamento de preços mas não há o que comprar (sem recorrer ao mercado negro, é claro). Eleições foram canceladas. A imprensa já não é livre. A constituição não é respeitada e boa parte da população protesta nas ruas contra o governo de Nicolás Maduro.

Nada disso comove o PT e os Petistas. Nada disso comove as esquerdas com seus dentes sempre a postos. Seguem impávidos como Muhammad Ali apoiando o tirano de Caracas que fala com passarinhos e manda disparar fuzis contra manifestantes. E não são balas de borracha.

Tem mais. Como nos informou Josias de Souza, Dilma deu ordens ao Itamaraty para que o embaixador brasileiro na Venezuela não prestasse qualquer assistência aos senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), José Agripino (DEM-RN), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Ricardo Ferraço (PMDB-ES), José Medeiros (PPS-MT) e Sérgio Petecão (PSD-AC) que viajaram para lá em avião da FAB, com agenda conhecida e acordo prévio. O governo venezuelano havia se comprometido com a segurança do grupo, mas o que se viu foi o oposto: ruas bloqueadas e milicianos emboscando a comitiva para impedir que visitassem os presos políticos.

Este, aliás, é um ponto conceitualmente importante: quando um político é preso sem processo, sem qualquer crime visível, apenas por fazer oposição, ele é um preso político e não um político preso, como o foram José Dirceu, José Genoíno, João Paulo Cunha ou Roberto Jeferson presos após processo legal.

Mas por aqui, nestes tempos em que, como sintetizou o cineasta José Padilha, “o Brasil perdeu a sensibilidade para o absurdo”, assistimos a um deprimente espetáculo. A revista Carta Capital, o blog Brasil 247 e diversos outros publicadores de press-releases do Governo Federal divulgaram artigos atacando a visita dos senadores e defendendo o tirano Maduro. Os “intelectuais” de sempre defenderam o indefensável e culparam as vítimas, como o fez Fernando Morais, por exemplo.

Mas no fim, como disse inicialmente, há um lado positivo no episódio. Ele deixa muito claro, deixa claríssimo, que quando a esquerda louva a democracia, mente. Quem tem a democracia como valor fundamental não flerta com ditaduras, não as defende, não as estimula.  Como já disse em outro artigo “a história da esquerda é a história do sofrimento que impingiu a sua própria gente em nome do bem. Não há exceção conhecida. Não há exemplo edificante. Apontar pontos positivos é possível, mas todos eles ocorreram e ocorrem sob a condução de governos autoritários e ou totalitários. Não estamos falando de governos de esquerda em regimes de democracia liberal, evidentemente. Estamos falando de governos de esquerda que conseguem avançar sobre a democracia liberal”.

É o caso da Venezuela. É o caso de quem defende seu governo assassino. Não há argumento que obedeça a qualquer princípio de lógica elementar capaz de refutar estes fatos.

Link para o artigos citados:

PORQUE A VENEZUELA NÃO É UMA DEMOCRACIA: http://wp.me/p4alqY-2b

NA ENCRUZILHADA, COM O DEMÔNIO DA ECONOMIA: http://wp.me/p4alqY-b7

POR ORDEM DO ITAMARATY, EMBAIXADOR NÃO ACOMPANHOU OS SENADORES EM CARACAS: http://zip.net/bfrshj

Aviso sobre comentários: Comentários contra e a favor são bem vindos, mesmo que ácidos, desde que não contenham agressões gratuitas, meros xingamentos, racismos e outras variantes que desqualificam qualquer debatedor. Fundamentem suas opiniões e sejam bem-vindos.

Anúncios