questões relevantes

espaço para debate de ideias sobre a cultura e a civilização

A VENEZUELA E A VERDADEIRA NATUREZA DO LOBO.

Ditadura-democracia-Dilma

Certos fatos são esclarecedores. O episódio envolvendo a tumultuada visita de senadores brasileiros à Venezuela é certamente um deles. Há no episódio revelações didáticas sobre a Venezuela não ser uma democracia, sobre o alinhamento acéfalo (mas bem remunerado) de alguns blogs e revistas com a biruta do PT, sobre o impacto das influências ideológicas nas decisões políticas e o esclarecimento, para além de qualquer dúvida razoável, de que a democracia para o PT e a esquerda é um meio, não um fim.

Vamos ao primeiro e mais óbvio: a Venezuela não é uma democracia. Afirmo isto desde os tempos de Hugo Chávez quando reuni um bom material comprobatório em um artigo que pode ser lido aqui. Mas Lula dizia que por lá havia democracia até demais. Petistas de alto coturno repetiam o mesmo com outras palavras. Dilma e os lobos da esquerda mantiveram-se ao lado do governo venezuelano mesmo quando começaram a prender opositores e a assassinar pessoas em manifestações políticas pacíficas. Já são 40 mortos.

Por conta de escolhas ideológicas, por conta do sonho de um socialismo do século XXI, a Venezuela, riquíssima em petróleo, está quebrada, a população enfrenta filas para comprar de comida a papel higiênico, de eletrodomésticos a medicamentos. A inflação disparou. Há congelamento de preços mas não há o que comprar (sem recorrer ao mercado negro, é claro). Eleições foram canceladas. A imprensa já não é livre. A constituição não é respeitada e boa parte da população protesta nas ruas contra o governo de Nicolás Maduro.

Nada disso comove o PT e os Petistas. Nada disso comove as esquerdas com seus dentes sempre a postos. Seguem impávidos como Muhammad Ali apoiando o tirano de Caracas que fala com passarinhos e manda disparar fuzis contra manifestantes. E não são balas de borracha.

Tem mais. Como nos informou Josias de Souza, Dilma deu ordens ao Itamaraty para que o embaixador brasileiro na Venezuela não prestasse qualquer assistência aos senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), José Agripino (DEM-RN), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Ricardo Ferraço (PMDB-ES), José Medeiros (PPS-MT) e Sérgio Petecão (PSD-AC) que viajaram para lá em avião da FAB, com agenda conhecida e acordo prévio. O governo venezuelano havia se comprometido com a segurança do grupo, mas o que se viu foi o oposto: ruas bloqueadas e milicianos emboscando a comitiva para impedir que visitassem os presos políticos.

Este, aliás, é um ponto conceitualmente importante: quando um político é preso sem processo, sem qualquer crime visível, apenas por fazer oposição, ele é um preso político e não um político preso, como o foram José Dirceu, José Genoíno, João Paulo Cunha ou Roberto Jeferson presos após processo legal.

Mas por aqui, nestes tempos em que, como sintetizou o cineasta José Padilha, “o Brasil perdeu a sensibilidade para o absurdo”, assistimos a um deprimente espetáculo. A revista Carta Capital, o blog Brasil 247 e diversos outros publicadores de press-releases do Governo Federal divulgaram artigos atacando a visita dos senadores e defendendo o tirano Maduro. Os “intelectuais” de sempre defenderam o indefensável e culparam as vítimas, como o fez Fernando Morais, por exemplo.

Mas no fim, como disse inicialmente, há um lado positivo no episódio. Ele deixa muito claro, deixa claríssimo, que quando a esquerda louva a democracia, mente. Quem tem a democracia como valor fundamental não flerta com ditaduras, não as defende, não as estimula.  Como já disse em outro artigo “a história da esquerda é a história do sofrimento que impingiu a sua própria gente em nome do bem. Não há exceção conhecida. Não há exemplo edificante. Apontar pontos positivos é possível, mas todos eles ocorreram e ocorrem sob a condução de governos autoritários e ou totalitários. Não estamos falando de governos de esquerda em regimes de democracia liberal, evidentemente. Estamos falando de governos de esquerda que conseguem avançar sobre a democracia liberal”.

É o caso da Venezuela. É o caso de quem defende seu governo assassino. Não há argumento que obedeça a qualquer princípio de lógica elementar capaz de refutar estes fatos.

Link para o artigos citados:

PORQUE A VENEZUELA NÃO É UMA DEMOCRACIA: http://wp.me/p4alqY-2b

NA ENCRUZILHADA, COM O DEMÔNIO DA ECONOMIA: http://wp.me/p4alqY-b7

POR ORDEM DO ITAMARATY, EMBAIXADOR NÃO ACOMPANHOU OS SENADORES EM CARACAS: http://zip.net/bfrshj

Aviso sobre comentários: Comentários contra e a favor são bem vindos, mesmo que ácidos, desde que não contenham agressões gratuitas, meros xingamentos, racismos e outras variantes que desqualificam qualquer debatedor. Fundamentem suas opiniões e sejam bem-vindos.

Anúncios

9 comentários em “A VENEZUELA E A VERDADEIRA NATUREZA DO LOBO.

  1. Pingback: A ESQUERDA QUE CHAMA O IMPEACHMENT DE “GOLPE” É A MESMA QUE SILENCIA DIANTE DO CARRASCO DE CARACAS. | questões relevantes

  2. Victor Chamun
    12/02/2015

    A democracia não se limita a como se alcança o poder, mas também como se exerce esse poder.

    Oito motivos para considerar a Venezuela uma ditadura, baseado em um relatório do Human Rights Watch.
    Alguns desses abusos também ocorrem no Brasil.

    1- Violência pós-eleitoral:
    Segundo grupos locais, as forças de segurança utilizaram força excessiva e detenções arbitrárias para dispersar as manifestações contra o governo ocorridas após as eleições de abril.

    2- Independência judicial:
    Desde que o Presidente Chávez e seus partidários na Assembleia Nacional assumiram o controle político da Suprema Corte em 2004, o poder judiciário praticamente parou de funcionar como um poder independente do governo. Membros da Suprema Corte rejeitaram abertamente o princípio de separação de poderes, se comprometeram publicamente com a defesa da agenda política do governo e tomaram repetidas decisões a seu favor, validando seu desrespeito aos direitos humanos.

    3- Liberdade de imprensa:
    Durante a última década, o governo aumentou e abusou de seus poderes para controlar a imprensa. Apesar de duras críticas ao governo ainda serem comuns em vários jornais e em algumas estações de rádio, o medo de represálias transformou a autocensura em um problema grave.

    4- Defensores dos direitos humanos:
    O governo venezuelano tem procurado marginalizar os defensores de direitos humanos do país, acusando-os repetidamente de tentar enfraquecer a democracia da Venezuela com o apoio do governo dos Estados Unidos.

    5- Abusos cometidos pelas forças de segurança:
    As mortes causadas pelas forças de segurança são um problema crônico. De acordo com as estatísticas oficiais mais recentes, agentes da lei supostamente mataram 7.998 pessoas entre janeiro de 2000 e o primeiro trimestre de 2009. Em julho de 2013, militares abriram fogo contra um carro no Estado de Falcón, matando a motorista e uma de suas filhas e ferindo as outras duas. Depois que o caso recebeu cobertura generalizada da mídia, promotores acusaram 10 militares por sua suposta responsabilidade nas mortes. No entanto, a impunidade continua sendo a norma.

    6- Condições das prisões:
    As prisões venezuelanas estão entre as mais violentas da América Latina. Problemas como fraca segurança, deterioração da infraestrutura, superlotação, guardas insuficientes e despreparados e corrupção permitem que grupos armados controlem as prisões. Centenas de mortes violentas nas prisões ocorrem todos os anos.

    7- Direitos trabalhistas:
    A discriminação política contra trabalhadores em instituições do estado ainda é um problema. Em abril de 2013, o Ministro da Habitação Ricardo Molina exigiu que todos os funcionários do ministério que apoiavam a oposição pedissem demissão, afirmando que demitiria todos que fizessem críticas a Maduro, Chávez ou à “revolução”.

    8- Principais agentes internacionais:
    Por muitos anos, o governo da Venezuela se recusou a autorizar especialistas em direitos humanos da ONU a realizar visitas de averiguação no país.
    A Venezuela apoiou uma campanha do Equador para enfraquecer a independência da Comissão Interamericana de Direitos Humanos e limitar as verbas e a eficácia de seu enviado especial sobre a liberdade de expressão. Apesar de não terem conseguido apoio para esse esforço na reunião da Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos realizada em março de 2013, os dois governos, bem como outros membros da Aliança Bolivariana para as Américas (ALBA), deixaram clara sua intenção de continuar pressionando para que tais alterações ocorram no futuro.

    OBS: Nesse relatório ainda não constam fatos mais recentes como as prisões arbitrárias de políticos oposicionistas, a recusa em aceitar um observador brasileiro nas próximas eleições e o assassinato de um político oposicionista durante um comício ocorrido semana passada.

  3. João Carlos
    06/24/2015

    Tem mais absurdos. Um deles é saber que desde o governo Lula a política externa brasileira é conduzida por um canalha como Marco Aurélio Garcia, que continua dando as cartas e desprezando a democracia. Este senhor nem tenta disfarçar. Leiam este editorial de hoje do Estadão. Dá razão total a este artigo.
    O link é este: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,omissao-intencional,1711446

  4. João Carlos
    06/23/2015

    Querem conhecer melhor a real natureza dos lobos que se dizem cordeiros? Vejam o vídeo deste artigo: http://lucianoayan.com/2015/06/23/psol-e-a-defesa-oficial-da-homofobia/

    • Questões Relevantes
      06/23/2015

      Só não me assusto porque já sei quem são.

  5. Sergio Huet
    06/23/2015

    Tenho visto pessoas questionarem as fontes que denunciam a ditadura de Nicolás Maduro. Tenho visto pessoas que não acreditam na realidade nem quando elas caem sobre a população com o peso de mãos de chumbo e sangue. Acredito que para estas pessoas, nada sirva, nada comova, como diz o artigo. Mas para quem preserva a capacidade de indignar-se esta entrevista com Lilian Tintori é mais uma peça importante para se entender a gravidade do que ocorre na Venezuela: https://www.youtube.com/watch?v=woafNnRmqIQ

  6. Mário Joplin
    06/21/2015

    Apesar de ser um pouco superficial, apenas lançando uma tese no ar, o texto é bastante correto e verídico. E os que entendem e conhecem os meandros da diplomacia ideológica do governo, logicamente analisarão de forma adequada o texto. E não nos esqueçamos da tão apregoada Cláusula Democrática do Mercosul, invocada para suspender o Paraguai quando dos incidentes no governo Lugo. Interessante reflexão seria o porquê de esta Cláusula nunca ter sido invocada contra a Venezuela.

    • Larissa
      06/21/2015

      Mário, a questão vai além disso. A Clausula Democratica do Tratado de Ushuaia, além de exigir que o país membro seja uma democracia, dá aos cidadãos dos países membros o direito de ir e vir livremente entre os países. No caso de visitas oficiais, os Senadores podem e devem ir, mediante convite, como foi o caso, chamados pelas esposas dos presos politicos. A visita está em conformidade com os acordos do Mercosul e Internacionais de Direitos Humanos.

      • Questões Relevantes
        06/21/2015

        Obrigado pelas contribuições.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: