questões relevantes

espaço para debate de ideias sobre a cultura e a civilização

DISCUSSÃO PARA POUCOS, CONSEQUÊNCIAS PARA MUITOS.

solidc3a3o-4

Oswald de Andrade profetizou, sobre sua produção literária: “a massa ainda comerá do fino biscoito que fabrico”. Infelizmente a profecia não se realizou, embora a obra de Oswald de Andrade, com suas teses antropofágicas, seja um conjunto saboroso de libelos libertários, deglutíveis  por qualquer pessoa com gosto para a leitura.

Me lembrei de Oswald de Andrade e sua frase famosa ao pensar na solidão intelectual de Ruy Fausto, professor emérito de filosofia da USP. Seus artigos são densos. Seu pensamento não busca qualquer “simplificação”, apenas o alargamento das questões que aborda.  São, por isso mesmo, um sopro de lógica e rigor em meio ao vendaval de informações equivocadas e reflexões levianas que nos assolam diariamente. Desconfio, pois, que seus leitores atentos não sejam tantos quanto seria desejável.

O artigo “O ciclo do totalitarismo e os impasses da esquerda mundial” publicado na REVISTA FEVEREIRO número 7 é, sem dúvida, mais um exemplo do que afirmei acima. De uma maneira geral, o artigo está em linha com as principais teses defendidas neste blog, ou, para respeitar as devidas proporções, as teses deste blog almejariam estar em linha com sua respeitável obra.

Separei abaixo alguns trechos em que reconheço pontes conceituais entre o artigo e o que defendemos por aqui. Como sempre, no final, há o link para o artigo completo.

(…) De fato, hoje não restam muitos governos totalitários no mundo. A rigor, um só: a Coréia do Norte. Ela tem os seus defensores (!) mas estes são provavelmente minoritários. O que sim é problema, e grande problema, no interior da esquerda, é o autoritarismo, sob forma populista frequentemente. É o autoritarismo e não o totalitarismo que parece ser o verdadeiro problema, na atualidade. Mas, embora eu esteja de acordo que é o autoritarismo o problema imediato e presente, ou, antes, é precisamente por isso que insisto na questão do totalitarismo. Explico-me. Há autoritarismos, como em primeiro lugar o chinês, que jogam a carta ideológica do “comunismo”. E o “comunismo” foi no passado, e continua se definindo como, um totalitarismo. E mesmo lá onde não se permanece fiel, sem mais (formalmente) a uma ideologia “comunista”, reivindica-se uma conexão histórica e ideológica. Os populismos autocráticos do nosso tempo reivindicam frequentemente as experiências do que teriam sido as revoluções russa ou chinesa. Por outro lado, ou por isso mesmo, eles conservam traços herdados do stalinismo e do maoísmo. Ou, dizendo de outro modo: o totalitarismo interessa, porque, se ele desapareceu, o seu desaparecimento não foi total. Ele antes se transmutou em autoritarismo. E a forma transmutada guarda laços com a forma original, conserva traços dela. Por isso, é preciso, ainda hoje, enfrentar um e outro. Um com o outro. (…)(…) Os poderes comunistas – pelo menos o russo – começam com formas que são autoritárias, e depois evoluem (involuem) para formas totalitárias. (…)(…) A partir de outubro de 1917, constituíram-se grande poderes ditos “comunistas”, mas esses poderes de “comunistas” não tinham (e hoje têm menos ainda) muito mais do que o nome. É como se, a partir de outubro de 1917, tivesse surgido um descompasso fantástico entre as coisas (as formações históricas) e o nome das coisas. Os nomes não têm mais muito que ver com o objeto nomeado. Talvez o melhor exemplo singular desse fenômeno esteja na expressão “União das Repúblicas Socialistas Soviéticas”. Como escreveram alguns (não sei quem foi o primeiro a dizer isso, talvez Souvarine) não se tratava nem de “união”, nem de “república”, nem de “socialista”, nem de “soviética”…. O que seria fácil mostrar. Assim, como afirmou uma vez Bentham (a propósito de fenômenos históricos do seus tempo), as coisas se separam dos nomes. Com a agravante, eu diria, de que, em muitos casos, os nomes já não correspondiam às coisas. Só que os indivíduos – no caso, os que compõem grande parte da esquerda – continuam acreditando que a correspondência se conservou, crença que teve e tem as consequências mais desastrosas. Raciocina-se não na base das coisas, mas dos nomes. É o que acontece com parte da esquerda europeia, e com uma grande parte, pelo menos, da extrema-esquerda nos países emergentes. (…)

(…) O comunismo conduziu a uma catástrofe histórica cujo custo para a humanidade, principalmente na pessoa de camponeses, foi de algumas dezenas de milhões de mortos. Essa história é um livro fechado para muita gente de extrema-esquerda, inclusive especialistas, particularmente nos países emergentes (…).

(…) A razão profunda do desconhecimento e dos mal-entendidos em relação a esse grande pedaço de história é o fato de que, mesmo se muitas vezes de modo mais ou menos inconsciente, o marxismo continua sendo hegemônico em grandes setores da intelectualidade dos países emergentes. Ora, ainda que isso possa surpreender alguns, eu diria que o marxismo está muito mal situado para entender aqueles fenômenos. E isto, não só porque eles se situam num tempo bem posterior ao da morte de Marx, mas porque o autor do Capital pouco teorizou o destino de governos pós-revoluções comunistas, e quando o fez, fez mal. Diria que, por paradoxal que isso possa parecer, outubro (novembro) de 1917 é uma data decisiva na história do envelhecimento do marxismo. É que ela assinala o ponto de partida de uma história que o marxismo estava muito mal preparado para teorizar, diria mais, uma história (futura, eventual) cuja realidade fora simplesmente denegada por Marx. (…)

(…) Diferentemente do bolchevismo, o nazismo nasceu depois da guerra e veio impregnado por ela, num grau que é, seguramente, maior do que o do bolchevismo. Como entender a relação entre os dois totalitarismos? Se o bolchevismo remete ao atraso russo, o nazismo tem certamente a ver, a observação não é nova, com o Sonderweg alemão. Mas o paralelismo não é preciso, e tem de ser explicitado, senão corrigido. Na Alemanha, houve uma industrialização tardia, acelerada e impulsionada pelo poder (vinda “de cima“), que veio a ser paralisada pela derrota na guerra. Essa constelação de sucesso nacional bloqueado por uma guerra mal-sucedida deve ser um elemento explicativo de por quê a dissolução dos valores que operaram os horrores da conflagração mundial gerou, na Alemanha, um totalitarismo de direita. O impulso dominante foi o da exigência de uma “revanche”. O que exige, primeiro, que tenha havido glória e sucesso no passado imediato (para que se vise uma “revanche” é preciso supor que nossa energia foi, e ainda é considerável), e, segundo, que a inversão do curso vitorioso tenha vindo de um acidente ou de uma manobra traiçoeira – o suposto golpe de punhal desferido pelas forças de dissolução, nas costas da Alemanha. A Rússia não teve industrialização tardia muito acelerada, e se, de certo modo, perdeu a guerra, não a perdeu como a Alemanha. Seu regime autoritário arcaico apodreceu e abriu o caminho para a esquerda. Aproveitando a incapacidade do governo provisório em resolver o problema da guerra, o bolchevismo hasteia a bandeira de um radicalismo que prega “o poder aos sovietes”. Sua vitória foi, entretanto, a morte de toda representação soviética livre. (…)

(…) Quanto à natureza do regime que viria depois do fim da “burocracia”, os trotskistas acreditavam numa “volta ao leninismo” o que, para eles, seria o equivalente de uma “volta ao marxismo”, como também um retorno a um projeto socialista não deformado (Foi sempre uma característica da posição trotskista, a de estabelecer uma separação marcada entre leninismo e stalinismo; na realidade, uma separação existe, mas não exclui uma continuidade “objetiva”). Ou então, na alternativa pessimista, a burocracia voltaria ao capitalismo. Os outros críticos acreditavam em geral que, em algum momento, e por uma iniciativa vinda “de baixo”, o poder burocrático seria minado e retornar-se-ia pelo menos a uma situação favorável a um combate em prol de um socialismo refundado. Antes de discutir quanto e o quê os acontecimentos parecem ter confirmado dessas teorias e previsões, e quanto e o quê elas parecem desmentir, reflitamos um pouco sobre a situação das esquerdas – penso também e particularmente nas esquerdas do “terceiro mundo” – durante aquele interregno. A tomada de posição não era difícil para os ortodoxos, e, até certo ponto, também não era para os trotskistas: seria preciso lutar contra o “imperialismo americano” e defender o Estado soviético (no caso dos trotskistas, a nuance, não tão insignificante, era a de que essa defesa não excluía uma crítica bastante aguda do stalinismo). A dificuldade existia para os outros, para a esquerda não ortodoxa nem trotskista. Ela se apresentava assim: como criticar o hegemonismo americano sem cair na idealização de um governo que, sob muitos aspectos, representava uma forma de exploração e opressão pior do que a que representava o capitalismo liberal-democrático do ocidente? (…)

(…) Se se puder admitir que chegamos a um quase-final – muito relativo, claro – de um caminho, isto é, se se supuser, como estou supondo, que, da situação histórica em que nos encontramos, é possível fazer um balanço suficientemente rigoroso e esclarecedor, deveríamos fazer as seguintes considerações. Em primeiro lugar sobre a essência daquele poder revolucionário, ou daqueles poderes revolucionários. À luz de tudo o que hoje se sabe sobre a história dos regimes chinês e russo – o grande salto para a frente, a revolução cultural, a fome camponesa dos anos 1930, o grande Terror, mais todo o “pequeno” horror que se situa entre esses momentos apoteóticos, além daquilo que revela a análise dos modos de exploração e de opressão inerentes a esses regimes – é difícil não dar razão à esquerda e à extrema-esquerda não-trotskistas, que viam no regime russo e no regime chinês um tipo de poder opressivo e explorador (além de genocida e terrorista). Um poder que merecia, sem dúvida, uma denominação especial, e que, em todo caso, de forma alguma deveria ser considerado como sendo “de transição para o socialismo” (nem como o de um “estado operário deformado”!). Qual dessas denominações conviria melhor não vou discutir aqui, mas o termo “totalitarismo” vale, certamente, como também o de “poder burocrático”. Quanto ao destino desses poderes, que a realidade atual parece revelar, pode-se dizer que ela não confirma, em geral, as perspectivas de uns e de outros. Mas havia elementos de verdade em algumas daquelas previsões. Vejamos isso mais de perto. Os acontecimentos desmentem a perspectiva ortodoxa: a história da China pós-revolucionária e a da Rússia pós-outubro não levou à construção de nenhum tipo de sociedade socialista (os devotos poderão sempre dizer que houve forças contrárias que inibiram o processo etc…).

(…) Quanto às perspectivas trotskistas, que eram, na alternativa otimista, a “volta ao leninismo”, e na alternativa pessimista, a “volta ao capitalismo”, a primeira não se realizou, e, quanto à segunda, se ela se efetivou de algum modo, foi, como veremos mais de perto, de maneira muito sui generis, e em forma bem mais complexa do que eles haviam suposto (de resto, na medida em que esta era a alternativa pessimista, eles, otimistas, que eram, como todos os bons marxistas, nunca apostaram muito seriamente nessa eventualidade). Entretanto – como observei já há bastante tempo ­–, a ideia de que o regime não duraria muito tempo se confirma. É talvez o único ponto em que a perspectiva trotskista acerta. Mas isso é pouco, se pensarmos em tudo o que os acontecimentos desmentem da sua construção em torno dos “Estados operários deformados ou degenerados”. As oposições não-trotskistas pensavam, em geral, numa sobrevivência mais longa, porém não é claro que todos fizessem disso uma tese bem precisa. Eles acertaram mais no diagnóstico da essência desses regimes do que no do seu destino. Como os trotskistas, eles acreditavam, em geral, que a ruptura viria de um movimento “de baixo”. E não foi o que aconteceu. Foi a partir de cima, como se o totalitarismo se revelasse inviável, que foi se operando a transformação. Enfim, o resultado, no seu conteúdo como no seu encaminhamento, foi inesperado e original. Mas seria preciso explicar melhor até onde se chegou, e como se chegou até aí. (…)

ARREMATE

Como se nota, o tema é para poucos, embora as consequências destes erros persistentes de marxistas de diversas cepas recaiam sobre muitos, com diferentes graus de severidade. Espero que o professor Ruy Fausto perdoe a simplificação (talvez demasiada) que fiz e que pretendeu funcionar como um menu degustação de seu banquete teórico.

Segue o link para o artigo integral: http://www.revistafevereiro.com/pag.php?r=07&t=02

Aviso sobre comentários:

Comentários contra e a favor são bem vindos, mesmo que ácidos, desde que não contenham agressões gratuitas, meros xingamentos, racismos e outras variantes que desqualificam qualquer debatedor. Fundamentem suas opiniões e sejam bem-vindos.

Anúncios

13 comentários em “DISCUSSÃO PARA POUCOS, CONSEQUÊNCIAS PARA MUITOS.

  1. Pingback: QUANDO OS VÍCIOS BRILHAM COMO SE FOSSEM VIRTUDES. | questões relevantes

  2. lucemiro1405
    01/02/2016

    Nossa, Paulo, esse comentário que o Jorge Ramalho gostou, essa passagem é absurda, totalmente.

    Marx não pretendia prever o futuro a torto e a direito e pouco falou sobre como seria o socialismo ou o comunismo. Só fez análise da Comuna de Paris, que não foi guiada por suas ideias.

    Agora, essa visão de 17 e´totalmente anacrônica. A revoluçaõ de 17 abalou o mundo, parou a matança da guerra, foi uma esperança para a China, por exemplo, em seu momento de maior miséria e opressão, assim como os povos oprimidos de todo o mundo. Foi a comprovação máxima da cientificidade do marxismo e nem uma intervenção das democracias –ooooh –não conseguiu exterminar o regime socialista soviético.

    • Questões Relevantes
      01/03/2016

      Veja que aquilo que você vê como positivo e até exemplar, diversos pensadores, marxistas inclusive, vêm de forma diferente. Quanto ao fato de Marx ter teorizado pouco sobre a revolução e, principalmente, sobre como funcionaria esta nova sociedade, é apenas um fato que frequentemente é utilizado por marxistas para lavar a reputação de Marx e livrá-lo da vergonha de ser mentor do que você considera positivo e, felizmente, a maioria considera um desastre humanitário.

  3. lucemiro1405
    12/19/2014

    Trecho repleto de erros e péssima dica. O primeiro erro é supor que o marxismo é hegemônico em universidades brasileiras. Paranóia doida da extrema-direita. As universidades brasileiras aceitam um ou outro professor marxiano, mas sempre, como Paulo Arantes, pagando o preço, para poder circular, de manifestar-se contra o projeto político marxista-leninista a partir de 17, como faz Fausto. A hegemonia é das teorias de primeiro mundo, ou seja, pós-modernas. Marx nunca analisou uma revolução bem sucedida, apenas a Comuna de Paris, que foi orientada pelo Proudhonismo.

    Mark Tauger é especialista em fome e não nega os 3 milhões de mortos pela fome como tendo causas naturais e critica o regime soviético por sua incompetência e desorganização em poder resolver o problema, pois na época eles fizeram requisição de grãos. Arch Getty tb pontua isso; o sistema soviético estava muito desorganizado e a administração estava muito ausente, principalmente no campo, os processos de Moscou vieram dar mais coesão.
    A criação de fazendas coletivas veio justamente acabar com as fomes periódicas, resolvendo até hoje o problema.

    • Questões Relevantes
      12/19/2014

      Há uma espécie de “delírio dissociativo” de parte da esquerda que teima em negar os fatos. A fome foi um problema crônico na União Soviética, do início ao fim.

      Quanto à sua frase “Marx nunca analisou uma revolução bem sucedida, apenas a Comuna de Paris, que foi orientada pelo Proudhonismo” lembro a você uma coisa até prosaica: mesmo se Marx estivesse vivo, ainda não teria visto uma revolução bem sucedida. E não teria porque a teoria marxista é furada, é apenas um grande erro histórico ainda tratado com reverência e esperança, mas que termina sempre em desastre humanitário.

      • lucemiro1405
        12/21/2014

        Não, amigão, a revolução de 17 foi extremamente bem sucedida e a experiência socialista durou 70 anos. Sei que para vc ísso é de amagar, mas saiba que nesse país (Brasil) jamais haverá algo como ocorre na Noruega. Ou é subcapitalismo ou socialismo, com bem definiu FHC em 64. E subcapitalismo significa fome, meu caro –e criança e professor cagando no mato como em escolas no semiárido sem merenda e sem saneamento básico. Ou viveremos eternamente isso ou o socialismo.

      • Questões Relevantes
        12/21/2014

        Lucemiro, discordamos totalmente sobre o que significa “ser extremamente bem sucedido”. Matar quem pensa diferente, por exemplo, não é aceitável para mim. Confinar dissidentes na Sibéria também não me parece uma boa coisa. Ter cotas de prisões e execuções a serem cumpridas mensalmente (período Stalin) também não cabe no meu conceito de sucesso. Ok. Cabe no seu. É seu sonho. É sua luta. É o sonho socialista. Conheço seu raciocínio e suas teses, trato da questão em diversos artigos deste blog e sempre chamo a atenção para um detalhe: não dá para chamar isto de democracia, nem tal autoritarismo de democrático.

  4. lucemiro1405
    12/17/2014

    Fausto diz bobagens. Marx só teorizou sobre a Comuna de Paris, não teve contato com revoluções comunistas bem sucedidas. E Fausto é quem diz que Marx teoriza mal? Fausto que falar do marxismo sem a história, como se vê aí quando ele renega a revoluçaõ de 17. Marx denegou a história??? Não! FAUSTÃO DENEGOU A HISTÓRIA.

    • Questões Relevantes
      12/17/2014

      Lucemiro, acredito que os textos do Professor Ruy Fausto precisam ser lidos com mais vagar e com a devida atenção. Leituras ligeiras levam a conclusões ligeiras.

  5. lucemiro1405
    12/17/2014

    Falcão, no final das contas, o tolo Fausto se baseia só no mito dos milhões de mortos, que está sendo desmentido por especialistAS norte-americanos, como Mark Tauger, da universidade de Virgínia, USA, que mostra que a fome na UcrÃNIA foi causada por fatores naturais. Oswald nunca recorreu a esse argumento vulgar. Não suje o nome de Oswald, esse pessoal da uSP deu bomba nele lá e nunca se redimiu pela cagada e o homenageou.

    • Questões Relevantes
      12/17/2014

      Lucemiro, quanto mais conheço os desafetos do professor Ruy Fausto, mais o admiro.

      Quanto à questão dos milhões de mortos, há total convergência na maioria da “contabilidade” e alguma divergência pontual. Mas atribuir o Holodomor apenas a fatores naturais, desconsiderando as escolhas políticas beira o ridículo. Mas mesmo esta visão traz embutida a crítica: o socialismo não foi capaz de relativizar ou eliminar a fome daquela população, o que seria o mínimo a se esperar desta escolha política.

      Há mais. Você pode achar que é apenas “conspiração da direita”, mas dê uma olhada neste texto de Luís de Matos Ribeiro da Associação Internacional de Estudos Ibero-Eslavos – CompaRes/ CLEPUL 5 –
      Grupo de Investigação do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa:

      “Respondendo ao apelo lançado, em 1988, por um casal de jornalistas ucranianos (Volodymyr Maniak e Lydia Kovalenko), Maria Chtyfuruk decidiu revelar, pela primeira vez, a seguinte memória de infância: «Dez, quinze pessoas morriam todos os dias. Levavam-nas numa carroça e atiravam-nas para uma vala e, no dia seguinte, recomeçava-se. As pessoas adormeciam e depois partiam… […] Aquele que não quisesse aderir ao kolkhoz era imediatamente chamado de kulak. Tu possuis uma parelha de cavalos, uma carroça, uma vaca? Então, vão-te deskulaquizar. O meu pai entregou ao kolkhoz os seus
      cavalos e a sua vaca. Depois, morreu de fome…Levaram tudo sem deixar nada em troca; deixaram as pessoas a morrer de fome. Destruiram as casas. Deportaram as pessoas para o Grande Norte ou a Sibéria; elas nunca mais voltaram. Só Deus sabe o que lhes aconteceu» (Há outros 6.000 testemunhos recolhidos que confirmam os fatos relatatos).

  6. Jorge Ramalho
    09/22/2014

    Acompanho este blog e os comentários dos leitores. De fato, o artigo do Professor Ruy Fausto tem mais pontos de convergência do que de divergência com as formulações defendidas por aqui. Este trecho em particular sintetiza bem as convergências:

    “A razão profunda do desconhecimento e dos mal-entendidos em relação a esse grande pedaço de história é o fato de que, mesmo se muitas vezes de modo mais ou menos inconsciente, o marxismo continua sendo hegemônico em grandes setores da intelectualidade dos países emergentes. Ora, ainda que isso possa surpreender alguns, eu diria que o marxismo está muito mal situado para entender aqueles fenômenos. E isto, não só porque eles se situam num tempo bem posterior ao da morte de Marx, mas porque o autor do Capital pouco teorizou o destino de governos pós-revoluções comunistas, e quando o fez, fez mal. Diria que, por paradoxal que isso possa parecer, outubro (novembro) de 1917 é uma data decisiva na história do envelhecimento do marxismo. É que ela assinala o ponto de partida de uma história que o marxismo estava muito mal preparado para teorizar, diria mais, uma história (futura, eventual) cuja realidade fora simplesmente denegada por Marx.”

    Ótima abordagem e excelente dica.

    • Questões Relevantes
      09/22/2014

      Obrigado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: