diretas ja

SERÁ ESTA PERGUNTA UMA BOA JUSTIFICATIVA PARA O AUTORITARISMO?

Em um grupo de debates na internet, uma participante que se identifica como Chrystian Mariana, fez a seguinte pergunta: “Mas questionando a raiz – democracia pra quê? Por que? E, principalmente, pra quem?” Era uma resposta a uma troca de ideias sobre o artigo ESQUERDA x DIREITA: A TEORIA DAS GAVETAS OU COMO NÃO CHAMAR URUBU DE “MEU LÔRO.

Respondi, e achei oportuno transformar o resultado neste artigo porque a pergunta permite duas linhas de resposta diametralmente opostas.

Se esta for uma pergunta meramente retórica, nada do que for dito funcionará como argumento, pois a resposta está implícita: não existe democracia, trata-se de um mito ideológico. Fim da discussão. A solução, portanto, é algum tipo de ditadura da maioria (o que a tornaria moralmente justificável). A prática já demonstrou exaustivamente que o resultado de 100% destas experiências foi abominável.

Mas há a hipótese da pergunta não ser retórica. Neste caso, a frase permite respostas importantes para colocar algumas ideias no lugar.

Comecemos por responder diretamente os questionamentos:

Pergunta: Democracia pra quê e por que? Resposta: para que as pessoas possam, permanentemente, opinar, criticar e lutar por direitos.

Pergunta: Democracia para quem? Resposta: para todos, até para quem não entende sua importância.

A democracia é o único sistema político que, ao realizar um governo resultante da vontade da maioria, respeita o direito das minorias. Mais do que isso: é o único sistema político em que grupos têm o direito constitucional de confrontar ideias dominantes e pleitear direitos. No longo artigo SABE COM QUEM VOCÊ ESTÁ FALANDO? DEBATE ENTRE A IDEOLOGIA MARXISTA E A LÓGICA LIBERAL, onde esgrimo intelectualmente com a professora Maria Ribeiro do Valle sobre Hannah Arendt, há alguns trechos que ilustram muito bem este ponto. Destaco dois que são meus:

“(…) No fim, a (enorme) diferença é que em regimes democráticos a luta por direitos, a reivindicação, é mais do que tolerada: pode ser com suor, lágrimas e sangue, mas traz resultados, como ocorreu nos EUA com o movimento negro nos anos 60 e 70, para ficarmos no caso em questão – e com um presidente negro na Casa Branca.” (…)

(…) “Arendt pensa no espaço de reivindicação e luta por direitos dentro do estado democrático e de direito, para aperfeiçoá-lo, para incluir atores no jogo político.”

Termino lembrando uma entrevista com Jorge Luis Borges, em que ao ser questionado sobre seu apoio inicial ao golpe militar na Argentina e posterior crítica ao autoritarismo, com adesão à luta democrática, disse, ecoando Churchill: “a democracia é uma ilusão baseada na estatística, mas provou ser superior às alternativas”.

Artigo de Paulo Falcão.

NOTA: Para quem deseja se aprofundar no tema, sugiro este artigo que analisa o verbete DEMOCRACIA do  “Dicionário de Política” de Norberto Bobbio, Nicola Matteucci e Gianfranco Pasquino

https://questoesrelevantes.wordpress.com/2014/03/12/quando-a-patrulha-ideologica-compromete-a-logica/

Aviso sobre comentários:

Comentários contra e a favor são bem vindos, mesmo que ácidos, desde que não contenham agressões gratuitas, meros xingamentos, racismos e outras variantes que desqualificam qualquer debatedor. Fundamentem suas opiniões e sejam bem-vindos.

Anúncios